22/08/2009

SIMPLICIDADES


Eu e minha cadelinha preta, "prisioneira".
















I – Soberbas e tédios

Profissionalmente enveredei para as relações trabalhistas. Ligadas à área de recursos humanos, elas “administram” conflitos internos e os de fora dos muros, as querelas de natureza jurídico-trabalhistas e sindicais.
Envolvi-me tanto com essa área que acabei escrevendo, digamos, um livro.
Na última e derradeira edição, depois de muitos anos de experiência em multinacionais, tantos seminários que em nada alteravam seus desvios porque geralmente dirigidos aos subalternos e não à cúpula dirigente a quem caberia, eventualmente, mudar alguma coisa, inseri um texto sobre administração de relações trabalhistas que tratava de três princípios: o da autoridade, da transparência e o da simplicidade.
Quanto a este último, coisa meio utópica, assim me referi:
“A simplicidade, pois, começa na maneira aberta de encarar os problemas, as indagações e, principalmente, as sugestões como se, a cada dia, todos pudessem aprender com todos. Claro que, nesse compasso, deve predominar o princípio da autoridade, que decide com participação. O autoritarismo decide isoladamente.”
Nos debates e conflitos que todas as empresas têm, muitas vezes me vi, naquelas reuniões tensas, sendo condescendente com aspirações dos operários e, na medida do possível, as defendia mostrando lados menos selváticos.
Raramente fora entendido por eles. Não poucas vezes, nas portas dos banheiros da empresa, meu nome escrito precariamente era mal adjetivado, claro que por não saberem esses detratores, o que se passava nos bastidores.
Encolhi-me perante posicionamentos gerenciais que entendia incoerentes a que me obrigava, obviamente, a suportar. Tédios, diante da soberba. E nesse quadro, quantas vezes cumpri decisões amargas. Só um demitido surpreendido conhece a amargura da demissão.
Por tudo isso assumi uma dose de simplicidade pessoal, assim que pude. Hoje, a pratico até na profissão. Salvo situações específicas, não me inibo de sair pelos fóruns de calça “jeans” e sapato largo sem meias, “desafinado” perante advogados elegantemente trajados.
Mas, alguém me aponta o dedo e diz que no meu modo “simples”, há uma dose velada de arrogância que transpira. Tenho me questionado sobre isso. Reflito.

II – O ideal numa ficção

Valho-me, então de um personagem fictício de longa crônica que, aliás, está na íntegra neste espaço em edições anteriores.
O antigo executivo, que chamarei apenas de R, um dia, bem de vida, larga tudo e vira pescador medíocre no litoral de São Paulo.
Reformulei o texto e o resumi. Ao ser indagado sobre sua atitude modesta numa palestra para humildes ouvintes:
- Mas, o que parece certo é que a soberba é mais agressiva, mais ambiciosa, assustadora e predomina no mundo. Eu sei disso porque convivi nesse mundo de competição e posso dizer que combati a soberba com soberba. Sendo a soberba uma não virtude, digamos, ela tende a manter as desigualdades subestimando valores, as virtudes da lealdade do altruísmo. A modéstia contrapõe-se à arrogância e à violência. Proponho, pois, um mundo “modesto”? Uma utopia? Trazer o céu para a terra?
Não bem isso. Seria uma impossibilidade. Sabemos que nosso mundo é naturalmente o mundo das desigualdades. Cultivada, porém, numa permanente autocrítica, possivelmente fizéssemos o mundo apenas um pouco menos desigual, um pouco menos doente. Mais altruísta.
Depois de uma pausa, olhando fixamente para seus ouvintes, em tom solene:
- Não pensem os senhores que atingi esse nível de “modéstia”. O que acabei de lhes relatar é, sobretudo, uma aspiração pessoal que tenho em mente. Não sei se chegarei um dia a tanto.
Essa foi a última resposta que R deu. Acenou para todos e exclamou: paz!
Ao sair foi rodeado pelos seus ouvintes, recebendo-os com um sorriso, aqueles mesmos que, quando executivo, dificilmente dele se aproximariam.


III – A soma de todos os valores

O meu maior despojamento, talvez, naquele sentido de desapossar-se de vaidades, dá-se sob um pé de atemoia num banco de granito que instalei. Foi nesse canto que consegui ler “Guerra e Paz” de Leon Tostoi, nas suas mil e tantas páginas
Tenho carinho pela atemoia porque ela floresceu de semente que plantei e acompanhei desde o primeiro brotar. Seus frutos são amanteigados e “valem por um almoço”.
Levanto-me e vou a dois passos ao acolhimento do pé de amora. Colho algumas já maduras. Quem na infância não comeu amora do pé, faltou alguma coisa à infância.
Amoreira. Humildade. Contém “amor” em seu nome. Daí as “amor-as”. Em gotas.
Ao lado dela um é de romã dando frutos – cuja muda transplantei de uma pequena saliência numa calçada qualquer -, um de pitanga graúda. Do lado esquerdo dois pés de mexerica que produzem muito. À frente, um pé de manga “tomy” em flor que promete mangas temperadas com açúcar da melhor qualidade. Ao seu lado uma árvore sem identificação, cujas folhas amassadas cheiram fruta, mas que se resignam a espocar apenas umas flores bem modestas e pequenas. Também a transplantei de cantos de calçada. E uma ameixeira.
Aos meus pés minha vira-lata preta, ainda ativa embora já com seus 17 anos. Verdadeira prisioneira sobre quatro muros, embora tenha espaço para se movimentar nesse quintal, esfregar-se na grama. Nas suas idas e vindas sedimentou trilhas arredondadas, desvios e só por essa “rota” caminha.
Estou aqui com ela, penalizado porque reconheço sua angustia de ali permanecer, com pouco carinho e a festa que faz quando vou visitá-la. Tenho ido menos pelos meus compromissos profissionais meio moído pelo cansaço e desgastes.
Mas, se vou, é só amor que transparece de seus olhos já não tão brilhantes rodeando o banco de granito esperando alguma ação minha, além do agrado que não renuncia.
Comecei a levá-la a passear nas redondezas. Quero retribuir um pouco seu amor incondicional e não ficar pesaroso se ela se for...antes de mim.
Nesse meu quintal de uns 450 metros quadrados, só me deparo com plantas que dão frutos sem nada pedir e uma cadelinha pronta para retribuir tudo o que puder ainda que pouco receba.(Leia "Vida de cachorro" em http://prosaeversodeboteco.zip.net)

Estou ali rodeado de exemplos vivos de simplicidades, humildades, amor desprendido. E paz.