09/08/2015

"REPORTAGEM": MEMÓRIAS DE SÃO CAETANO. 50 ANOS DEPOIS



Esta longa crônica ("Reportagem") tem como motivação os 50 anos que se passaram de minha formatura no curso Clássico (1965) no Instituto de Educação “Cel. Bonifácio de Carvalho” o mais influente, então, no ABC.
Refiro-me, também, aos amigos velhos que “deixei” em São Caetano, a união entre o "Bonifácio de Carvalho" e o Centro Acadêmico que há muito não mais existe e andanças pelo Bairro da Fundação onde vivi minha juventude.
Em 29 e 30 de julho de 2015.

IDH sem índice ambiental
São Caetano é o município nº 1 no Brasil em IDH – Índice de Desenvolvimento Humano, medida que faz parte do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e é calculado com base em três itens: renda, educação e saúde. A nº 2 é a pequena Águas de São Pedro. Houvesse uma medida ambiental no IDH, dificilmente Águas deixaria de ser a nº 1.
É em Águas que me escondo das contradições da vida e do Judiciário - instituição, todavia, da qual não me queixo. Da degradação ambiental que me comove MUITO mas que vai sendo tolerada até irresponsavelmente até...até quando? Quando a vida se tornar definitivamente insuportável?
Bem, São Caetano é cinza.


(Fotos acima de praça / paisagem de Águas de São Pedro)
(No último item desta “reportagem”, apresento uma “visão geral” resultado de minhas andanças e reminiscências que guardo comigo).
Amizades e amigos
Todos os meses os “sobreviventes” do Centro Acadêmico e do Instituto Estadual “Cel. Bonifácio de Carvalho” se reencontram numa pizzaria de São Caetano e nessas noites ao vinho e à cerveja, há um forte congraçamento.
Afinal, esses relacionamentos ultrapassam  meio século.
No encontro do dia 29 de julho último, no sacrifício, participei. Muitos deles a conhecer ou a reconhecer.
Ao longo da minha vida sempre me questionei sobre “amigos” e amigos. Não tenho certeza, talvez até esteja sendo injusto, mas os amigos não os conte nos dedos das mãos.
Nas inúmeras automobilísticas nas quais trabalhei, lembro-me de dois: menos que, digamos, subordinados - e não por isso – iam na lealdade acima desse “detalhe”. Empresas revelam amigos?
E dos “antigos” de São Caetano do Sul?
Posso ter mais por lá, mas dois sempre se fizeram presentes: 
Caio Venâncio Martins: amizade de mais de 50 anos entre tapas e reconsiderações. Poeta e cronista, fora ele quem nos últimos anos me incentivou a escrever, me encorajou aos blogs e a publicar artigos políticos no extinto “Vote Brasil".
E foi assim que saí do “quadrilátero” do meu escritório (sem estar nele, pela manhã, cedo, pelo menos, me parece um dia perdido).
Dai para frente os contatos nunca se perderam entre ideias, ideais – mesmo com a idade que nos espreita – e a necessidade da boa comunicação por esses veículos.

Caio Martins – não temos parentesco, mas há algo de irmandade que o sobrenome reforçou de modo indelével e definitivo.
A foto menos nítida aparece o Caio numa festa caipira promovida pelo Grêmio 28 de Julho o qual presidi naquele ano de 1965 (é o 3º da direita para a esquerda. Eu o 2° da esquerda para a direita).



Carmelo Conti: esse sujeito, muito humilde quando o conheci na década de 60 esteve comigo, de modo intenso em todas as atividades estudantis e mesmo na imprensa de São Caetano. Chegou a tal ponto que, ocasionalmente, me desmentia ou me corrigia quando relatava episódios dos quais participara eu até como agente principal. Em outras palavras ele sabia ou sabe mais do que eu de aspectos que a mim pertencem ou pertenciam diretamente.

Carmelo Conti – revisamos conceitos na noite do dia 29 de julho de 2015, sempre lembrando as iniciativas da primeira metade da década de 60, especialmente nas atividades brilhantes do ano de 1965 no Grêmio 28 de Julho.
Tempos memoráveis. Já lá se vão exatos 50 anos que também marcam o exato meio século de minha formatura no clássico do prestigioso I. E. “Cel. Bonifácio de Carvalho”.
A foto abaixo fora do “baile dos 10 mais” também promovido pelo Grêmio nos luxuosos salões do "Moinho São Jorge" - Utinga - Santo André. Carmelo está ao meu lado à direita. Na mesa pessoas amigas e diretores do Grêmio.

As reuniões mensais dos amigos “antigos” acadêmicos
Como disse, um grupo de amigos daquele período, seja do Centro Acadêmico, seja do “Bonifácio de Carvalho”, todos os meses, há tempos, se reúne numa pizzaria de São Caetano e, na confraternização que se renova, tem como motivação principal aqueles verdadeiros anos inesquecíveis, numa cidade pulsante, que a história não repetirá jamais.
Não convivi com todos os participantes diretamente. Havia escolas e mesmo grupos diferentes, então, mas todos eles têm hoje a mesma motivação em manterem esses encontros: a lembrança de momentos felizes, marcantes, de desafios que não conseguem ser esquecidos.
E, ademais, esse congraçamento entre o Estadual "Bonifácio de Carvalho" e o Centro Acadêmico, se dava em reuniões sociais, bailes mas também no esporte (voleibol) na quadra do Estadual: essas competições eram conhecidas como EST-ACA.




Fachada pela avenida Goiás, do "Cel. Bonifácio de Carvalho" em 1965

A foto abaixo se refere ao encontro de 29 de julho de 2015. Alegria de viver, de participar já passados dos 70 anos de idade, pelo menos na média.

 

Visão geral 50 anos depois
A cidade de São Caetano – o “C” do ABC paulista – foi marcante para mim, na juventude.
Foi lá que estudando o clássico no Instituto Estadual “Cel. Bonifácio de Carvalho” – o mais destacado da região – na década de 60 me envolvi intensamente na vida estudantil e militei na imprensa local.
Não dá para esquecer certos episódios da vida jovem. O ano de 1965 foi marcante por tudo que fizemos no Grêmio 28 de Julho e eu já nem era tão jovem, já tinha 21 anos.
Esse foi, também, o ano de minha formatura no clássico. Essa idade “avançada” porque fora no ginasial mau aluno, me recuperaria no bom Ginásio Amaral Wagner, de Utinga. (1)
Quantas vezes disse que a década de 60, com golpe, revolução – chamem do que quiserem - e tudo, fora por demais inspirador, pelo menos em São Caetano, que pulsava, uma influência cultural, estudantil e política positiva na região.
São Caetano tem uma linha tênue que separa duas regiões: acima da avenida Goiás – onde está a sede da GM – mais sofisticada e abaixo dela.
Eu vivi sempre abaixo dessa linha, no Bairro Fundação.
Das fotos
Não poderia, antes, perder a oportunidade de algumas fotos.
Visão da rodoviária e lembranças do viaduto dos Autonomistas

Nesta foto, tirada na estação rodoferroviária, destaca ao fundo a loja matriz da Casas Bahia. Ela se originou em SANCA. Ao lado direito, a entrada do viaduto dos Autonomistas que sai do centro ao Bairro da Fundação: em 1954 quando de sua inauguração, com a presença do prefeito Anacleto Campanella, estive presente. Menino, ainda, me aventurei até a estação da então Santos a Jundiaí e cheguei a ouvir os discursos.
Grupo Escolar “Senador Flaquer” (assim conhecido, então)

Fiz o primário nessa escola, tão marcante na minha vida jovem. Quando da formatura um professor-músico compôs um hino de despedida que começava assim:
“Adeus minha escola querida, jamais te esquecerei na vida, foste para mim um fanal [lanterna, farol] que me ensinou o saber ideal...”
O prédio, sem os muros de antes, está bem conservado.
Os “quadros” de São Caetano 

As pinturas que enfeiam a cidade são dessa arte... em profusão...
Não de hoje em momentos de revisão do alto de minha idade, meio século depois, sempre tive vontade de caminhar pelas minhas “origens”, mesmo sendo paulistano.
Chego de ônibus vindo Piracicaba, pela “Piracicabana”, me instalo num hotel que jamais evoluiu (Acácia), a vantagem da localização central, nem sei se já piorou e pergunto à atendente:
- Onde encontro um restaurante vegetariano por aqui?
A atendente nega conhecer algum, mas me indicou um restaurante de bom padrão na rua Santa Catarina:
- O senhor não precisa comer a carne.
A rua Santa Catarina é hoje um calçadão bem constituído mas com um defeito grave: não tem árvores e nem floreiras.
Almoço, volto para a estação, atravesso por baixo dos trilhos da CPTM pela galeria, já percebendo abandono e falta de cuidados e chego à galeria coberta da rua Francisco Matarazzo, não menos abandonada, com lojinhas e botecos.
No fim do quarteirão, metros a frente, causa espécie num local daqueles, central, um prédio inacabado, feio, com lojinhas precárias no térreo. E essa feiura perdura há décadas.
Desço para a Fundação, das minhas “origens” um bairro que se não era bonito no meu tempo, é pior agora. Eu nunca vi tanta degradação pelos cantos das suas ruas e a imensa poluição visual produzida pelos garranchos dos grafiteiros que se revelam, na verdade, vândalos. Não há prédio ou muro que escapa dessa ação poluidora, bruta (v. foto acima).
Uns 10/12 quilômetros de andanças depois, vou ao prédio do cine Vitória, um ponto intelectual dos acadêmicos da cidade, porque a sede (do Centro Acadêmico) ocupava uma das salas do prédio. Eu cheguei a trabalhar nesse prédio na redação dum jornal. O último andar, naqueles idos, era ocupado por associações culturais de prestígio.
Agora o prédio está num processo de ruína, a entrada fechada com grades, o cheiro forte de banheiro público.

O prédio do “Cine Vitória” como era
Já ouvira falar desse estado do prédio pelas minhas sobrinhas de lá, mas ver para crer. 

Memória que se perde.

Meio desapontado saí um busca de um Café com algum atrativo, com alguma apresentação para uma média e algum tipo de pão. Só encontrei botecos e desisti.
O bairro da Fundação, para amenizar a poluição visual e a poluição de tantos carros que transitam às margens do Tamanduateí – como muitas outras cidades – precisa de um banho verde. Muitas árvores plantadas nos cantos e recantos. Todas sabem que as árvores “humanizam”, os jardins enfeitam, as flores encantam. 

Já falei demais... 


Outras crônicas com referência a São Caetano do Sul (SANCA) neste Temas:

1. Versos para ningém (dias de ingenuidade): 19.04.2009
2. Raízes Sancaetanenses (I): 21.06.2009
3. Raízes Sancaetanenses (II): 11.07.2009
4. Ternuras, essa palavra feminina...(?) [referência ao ex-prefeito Anacleto Campanella]: 11.04.2010
5. Regressão (II) - Primeira Comunhão: 24.10.2010
6. Tradições, memórias, fragmentos (II): 04.09.2011
7. Saudades: 10.10.2014

Legenda:

(1) Endereço do facebook do Amaral Wagner (que parece está se tornando portal de negócios): https://www.facebook.com/groups/Amaral.Wagner/