25/12/2012

PERCY E MARY SHELLEY...QUEM?



Sabem essas pausas de leitura nas quais um livro qualquer lhe cai às mãos e você passa a ler para não perder aquele hábito relutante porque a televisão está à sua frente como sereia pegajosa, bastando um clique?

Foi assim com o livro de André Maurois, “Ariel ou a vida de Shelley”, com tradução de Manuel Bandeira.

Bem, o livro deveria ser bom porque Mourois (1885-1967) fora renomado escritor francês, membro da Academia Francesa desde 1938. Manuel Bandeira (1886-1968), renomado escritor e poeta brasileiro, fora o tradutor. Deste o sempre lembrado “Vou-me embora pra Pasárgada”:

[Vou-me embora prá Pasárgada
Lá sou o amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora prá Pasárgada.]


À medida que avanço nas páginas do pequeno livro (197 páginas) vou com ele me encantando com os episódios da vida de Shelley, poeta inglês com grande talento. Descrito como “muito bonito”, com traços femininos, rebelde ao extremo, “não cristão” – defendera na juventude a necessidade de ser ateu.

Pela sua rebeldia, seu pai, muito rico, negou-lhe ajuda o que fez com que vivesse sempre com imensas dificuldades o que não o impediu de se casar aos 19 anos, com Harriet, de 16 anos.

Sua vida foi marcada por tragédias: a primeira esposa (Harriet) suicidou-se quando abandonada por ele, filhos seus que morreram precocemente naqueles tempos de medicina precária. Já vivendo com Mary Goldwin, casou com ela 15 dias depois da notícia da morte de sua primeira esposa. Após o casamento chamou-se Mary Shelley.

Nessa quadra de amargura vira a filha de sua cunhada Clara com Lord Byron - tratado como um devasso – deixada morrer, abandonada, num convento pelo pai.

As escalas poéticas, excêntricas de Shelley podem ser compreendidas por este trecho do livro de Mourois:

“Um dia o marinheiro encontrou-o tão absorvido numa visão longínqua que não ousou interrompê-lo sem primeiro lhe despertar a atenção e fazendo estalar as agulhas secas dos pinheiros. (...)
Chamou Shelley, que virou a cabeça e disse com lentidão:
- Hello! Entre.
- Este então é o seu gabinete de trabalho?
- É, estar entre as árvores são os meus livros. Quando a gente compõe, é preciso que a atenção não fique dividida. Numa casa não há solidão: uma porta que se fecha, um rumor de passos, uma campainha ecoam no espírito, dissipam visões.
- Aqui há rumores do rio, dos pássaros.
- O rio desliza como o tempo, e os sons da natureza fazem bem à alma. Só o animal humano é discordante e me incomoda...Oh, como é difícil perceber por que razão estamos aqui neste mundo, perpétuos tormentos para nós mesmos e para os outros!”

Percy Shelley morreu afogado aos 29 anos, vítima de um naufrágio.

Mary Shelley

No livro de André Maurois, Mary Shelley é apresentada como mulher, esposa e até protetora de seu marido.


Mas, Mary Shelley fora escritora talentosa com inúmeras obras.

Talvez não a melhor, mas aquela que ultrapassou os séculos é “Frankenstein”, escrita por Mary quando tinha 19 anos, em 1817.

Esse seu personagem ilustra até hoje histórias em quadrinhos, inúmeros filmes já foram produzidos, sendo constantemente reintroduzido na ficção.

Frankenstein, na obra, é o sobrenome do seu criador, Victor, que ao criar a criatura monstruosa, se arrepende amargamente da experiência, é perseguido por ela que em lugar de o atacar como ele receava, ataca sua esposa e a enforca. Há momentos ternos mas Frankenstein é sempre tratado sem complacência, porque julgado sobretudo por sua aparência.

No leito de morte de Victor, a criatura lá está emocionada com a partida iminente do seu criador.

A filha legítima de Lord Byron – ADA LOVELACE

Shelley se relacionou muito com Lord Byron, poeta e escritor inglês influente, mas tratado no livro como um devasso.

Ele teve uma filha legítima, Ada Lovelace. E daí?

Fora ele talentosa matemática e é lembrada como a primeira programadora de computador. Isso mesmo, e em meados do século 19!

Ada viveu pouco, apenas 37 anos incompletos (10.12.1815 - 27.11.1852). Mente avançada para o seu tempo, entendera a máquina de Charles Babbage, fizera anotações que seriam utilizadas um século depois de sua morte (início da década de 50) na construção dos primeiros computadores.

Envolvida no projeto Babbage, ela desenvolveu algoritmos que permitiriam à máquina computar valores de funções matemáticas.

[Algoritmo: passos para solucionar uma tarefa, um programa: como fazer...]

Charles Babbage (1791-1871) foi um cientista, matemático, engenheiro mecânico e inventor e reverenciado como aquele que projetou o primeiro computador, a máquina analítica, considerado como o “pai” da computação, embora seu invento não fosse concluído pela precariedade técnica no seu tempo. 

Essas invenções, porém, não eram conhecidas dos criadores dos atuais computadores.

No que se refere a Ada Lovelace em 1980, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos registrou linguagem de programação estruturada com o nome “Ada” em, sua homenagem. (1)

É pouco?

Todas essas informações – úteis ou não – foram surgindo de um simples livro que o acaso chegou até mim, o livro de André Maurois, “Ariel ou a vida de Shelley”. (1)

Referências:

(1) As respectivas biografias de todos os nomes mencionados nesta crônica podem ser encontradas nos portais de busca na internet

(2) Editora Record

Imagem:


Retrato de Mary Shelley por Richard Rothwell




25/11/2012

O DC3 VOOU SERENO PORQUE HAVIA QUEM DEVESSE FICAR EM TERRA (*)



...para outra viagem, “sem volta”.


Dia desses, por dever de ofício, aportei em Belo Horizonte, fiz o que tinha que fazer – nem bem, nem mal – e a volta à tarde, esperei no aeroporto de Confins  a volta com a Azul – que tem sido pontual, felizmente.

Nesse lapso de espera, começo uma aproximação com um outro passageiro que esperava a definição da hora do seu voo por outra empresa - ocorrência muito normal num aeroporto, falamos de incidentes com aviões, até que, mais à  vontade, esse passageiro, animou-se a relatar um estranho incidente.

Encerrara-se o trabalho de grande empreiteira na divisa de Goiás – hoje Tocantins, estado criado em 1988 – com o Pará. Os principais funcionários rumariam, então, para Belém num ainda utilizado DC-3. Esse avião, Douglas DC-3 era um bimotor que fora importante entre a década de 30 até 50 no transporte de passageiros e carga.



Mas, por aqui, pelo que sei, voou muitos anos mais.

Mas, no dia da viagem, pela manhã, o avião não pode decolar. O piloto, que o conhecia nos detalhes percebeu que uma peça importante do motor estava desgastada pelo que fora adiada a partida por segurança.

Três dias depois, a peça chegou vinda de Manaus.

Peça trocada, tudo certo para a viagem, o velho DC-3 decolou. Mas, o piloto percebeu um desarranjo num dos motores e teve que pousar de onde saíra.

Fora, então chamado, mecânico, que veio do Pará, depois de mais três dias.

Cansado de esperar, inseguro com as possibilidades do velho DC-3 chegar em segurança até Belém um dos passageiros desistiu da viagem de modo definitivo:

- Não viajo nesse avião, de jeito nenhum. Amanhã pego um barco, do outro lado arrumo um carro e vou aos trancos e barrancos, por terra, até Belém. Do jeito que der.

E assim fez.
No dia seguinte, o mecânico que chegara, fizera pequenos ajustes e regulagens de rotina. O DC-3 partiu sereno e seguro nos rumos do seu destino.

Ao pousar o DC -3 em Belém, os passageiros receberam a má notícia, muito triste. O passageiro desistente do DC-3 sofrera grave acidente com o veículo que contratara. O veículo se chocara contra uma árvore. Ele e o motorista não resistiram aos ferimentos e faleceram no local.

Moral da história verdadeira: O DC-3 somente voou quando um dos passageiros desistiu da viagem. Seu destino era outro... sem volta.

Há muitos casos de passageiros que perdem voo em viagens que se tornam fatais, trágicas. “Carmas coletivos”.

Mas, para cada estalo de dedo, decola e pousa um avião no mundo.



(*) “RAÍZES DO BRASIL” – Sergio Buarque de Holanda



Divulguei no Facebook pequena nota sobre a minha leitura inicial de “Raízes do Brasil” de Sergio Buarque de Holanda, publicado no portal GOLP – Grupo Oficina Literária de Piracicaba – por iniciativa de sua coordenadora Ivana Negri - e no jornal “Tribuna de Piracicaba” de 10.12.2012 (a carranca é essa mesma).

Dias depois acabara a leitura do livro fazendo então, uma resenha maior sobre “Raízes do Brasil”, deixando claro que tive dúvidas em apreender alguns conceitos do livro.

Essa resenha já foi inserida neste blog, no título “Dos livros que não consegui ler (ainda?). E os já lidos” de 17.10.2010 (nesse titulo me refiro aos livros / autores seguintes: “O Sertões” de Euclides da Cunha; “Grande sertão: Veredas” de Guimarães Rosa; Friedrich Nietzche; “Ulisses” de James Joyce; “1984” de George Orwell; “Admirável Mundo Novo” de Aldous Huxley; “O Presidente Negro” de Monteiro Lobato – Há outros lidos e não conseguidos).

Mas, voltando à resenha de “Raízes do Brasil”. O texto da resenha é longo mas destaco a menção crítica a Machado de Assis constante da obra de Sérgio Buarque de Holanda:

Trata-se de uma obra que exige concentração mais apurada na leitura de tal modo que se obtenha o preciso sentido dos conceitos emitidos pelo autor. Creio mesmo que seria bom que fizesse uma segunda leitura do livro  como preciso fazer de “Os Sertões” de Euclides – compromisso que estou em débito.

A referência às raízes do Brasil, significa que o autor voltou aos tempos da colonização portuguesa e bom que se diga que não é ele crítico na medida em que afirma que não é (sempre) possível subestimar a “grandeza dos esforços” de Portugal na exploração das novas terras, embora não nega que tudo se fez “com desleixo e certo abandono”.

Mais, a frente, ao tratar da “persistência da lavoura de tipo predatório”, a exemplo do que denunciara Euclides em “Os Sertões”, não deixa o Autor de destacar o uso do fogo na agricultura quando chega aos detalhes de explanar sobre o uso da enxada e do arado:

“Mostra-se nesse trabalho como o recurso às queimadas deve parecer aos colonos estabelecidos em mata virgem de uma patente necessidade que não lhes ocorre, sequer, a lembrança de outros métodos de desbravamento”.

A prática do fogo permanece até hoje, como se sabe, devastando largas extensões de florestas brasileiras.

No livro ainda se descobre que em terras paulistas a língua falada era, predominantemente, a indígena segundo, entre outras fontes citadas pelo autor, as observações do padre Antonio Vieira: “É certo que as famílias dos portugueses e índios de São Paulo, estão tão ligadas hoje umas às outras, que as mulheres e os filhos se criam mística e domesticamente, e a língua que as ditas famílias se fala é a dos índios, e a portuguesa a vão os meninos aprender à escola.”

 Aponta no meio do capítulo “novos tempos”, que autores românticos tornaram “possível a criação de um mundo fora do mundo, o amor às letras não tardou em instituir um derivativo cômodo para o horror à nossa realidade cotidiana. Não reagiu contra ela, de uma reação sã e fecunda, não tratou de corrigi-la ou dominá-la; esqueceu-a, simplesmente, ou detestou-a, provocando desencantos precoces e ilusões de maturidade. Machado de Assis foi a flor dessa planta de estufa.”

[Ora, o escritor é assim, tem o direito de sair da realidade e criar situações novas, ficções, inspiradas, suas, ascender à poesia que o afastam do horror da realidade. Toda a literatura de Machado, que está aí até hoje e sempre reverenciada talvez se enfraquecesse se fizesse referência ou descrevesse, por exemplo, à imundice que saltava pelas ruas do Rio de Janeiro. Muitos horrores se foram e Machado de Assis, ficou].

Sobre o Segundo Reinado e da Primeira República, “as constituições feitas para não serem cumpridas, as leis existentes para serem violadas, tudo em proveito de indivíduos e de oligarquias, são fenômeno corrente em toda a história da America do Sul” – o significado de tal afirmação no fundo se refere “às primazias das conveniências particulares sobre os interesses de ordem coletiva...”

[Com efetividade o fenômeno do descumprimento da lei e da Constituição por aqueles que detêm influência por causa do seu vigor econômico quando não parte do poder político é uma realidade. Que o digam as milhares de ações que se avolumam nos tribunais há anos e anos e ainda hoje. Todavia, quanto aos tribunais, constata-se que há posicionamentos mais rigorosos  que podem mudar o perfil de país de tal maneira que se consiga a “ordem” proclamada na bandeira].      

Há um sentido crítico à “cordialidade” que sempre prevaleceu por aqui e até hoje visitantes de outros países ressaltam essa característica brasileira que nem sempre seria saudável quando se trata de relações impessoais, do Estado impessoal – separação do público e do privado. A observação é minha trazendo esse aspecto para o presente: o denominado “processo do mensalão” não tem algo da permanência do “estado cordial”?

Mas, ressalte-se que esse conceito, no livro, não é muito claro.

Bem, paro por aqui, reafirmando a dificuldade do texto do autor Sergio Buarque de Holanda em sua obra “Raízes do Brasil”, um clássico muito citado mas tenho dúvidas se lido na mesma proporção.




04/11/2012

ESTE MUNDO CONTURBADO E AS REFLEXÕES ECOLÓGICAS


Não receio em me repetir nas impressões que se repetem...
Misturo, na preguiça da varanda, uma série de pensamentos que vão e vem, incluindo pessoas, fatos e emoções que se perderam no tempo e que, num desses instantes, voltam à mente de modo inexplicável.


Estava exatamente refletindo sobre isso, sobre o passar dos anos – e como passaram céleres! – chamando-me para o alto nuvens brancas sopradas pelo vento. Formavam figuras disformes que se alteravam rapidamente a mercê do que o vento esculpia.
Mas, ali, na varanda naquele momento de serenidade, fui sobressaltado pela transcendência daquele fenômeno tão corriqueiro: quais as indagações que esses movimentos somados a tantos outros do planeta deveria fazer?
Minha mente preguiçosa foi instada a tanto, mas percebi quão limitada ela é para um mínimo de compreensão, não, claro, do movimento das nuvens em si, mas aquele sopro nessa conjunção universal.
Ó ignorância que não me deixa avançar!
Ao contrário das nuvens em movimento que se transformam eis-me aqui plantado neste chão sem poder flutuar e mudar a forma dos pensamentos que me afloram e que, por mais que eu os bem receba ou os afaste, não significam transcendências que naquele momento fora chamado a pensar. Há um bloqueio.
Mas, afinal, eu quero mesmo desvendá-las, essas transcendências?
Não sei ao certo.
Este é o mundo das contradições, das ofensas e dos perdões, da violência e da ternura, do desejo e da renúncia, do nascer e do renascer, do dar e receber. Da destruição e da reconstrução. Do amor e do ódio, da vida e da morte.
Nesse turbilhão de contradições e desejos, não sei se as quero reveladas neste meu tempo de agora. As nuvens estão lá no alto se transformando ao sopro do vento.
E eu somente as observo.


Já não de hoje, agora nessa mesma varanda me refugio sob a noite a cata das estrelas, naquele pequeno quadrilátero que resta entre muros e sempre com a esperança de ver movimento de algum corpo estranho deslizando no espaço.
Essa abóbada parece ser absolutamente indiferente a este mundinho tão minúsculo e tão cheio de ambições, traições e destruições.
A notícia diz que “um mosaico de imagens do centro da Via láctea, tiradas com um telescópio no Chile, registrou a presença de cerca de 84 milhões de estrelas, na maior observação desse tipo já feita pela astronomia.”


A área de observação seria de apenas 1% do céu...como disso se saberá, pelo tamanho do universo?
Quem controla essa harmonia de tantos corpos que não se chocam, que mantém distância cautelosa entre um e outro?
A pergunta é até redundante e primária, mas a resposta, essa não vem.
A despeito de destruidores como somos, pouco mereceríamos dessas forças controladoras, mas elas ainda mantêm, parece, alguma esperança de nossa redenção.  Como seria fácil nossa pulverização cósmica na nossa absoluta insignificância planetária!
Não duvido se tais forças controladoras não esperam que nós mesmos entremos em agonia como resultado de nossa insanidade.
Mas, na medida em que somos destruidores de nossa própria casa, mais violência aqui floresce, nesta escola de aprendizagem que concentra todos os níveis de aprendizes.
Violência não só entre semelhantes, mas também das forças revoltas da natureza – cada vez mais. (1)


O maior exemplo do benefício das árvores em relação ao resfriamento do clima é até elementar.
Nessas caminhadas que normalmente faço aos domingos num parque em cujo traçado se transita sob árvores e em outro trecho sob o sol, naquele primeiro trecho sempre há aquela sensação de refrescamento.


Imaginem como o clima é afetado pela queima de milhares de quilômetros quadrados para formação desordenada de pastos ou plantação de soja. E o “corte” de árvores com raiz e tudo pelos correntões.


Há, aí, uma tragédia anunciada.
A propósito do furacão Sandy que devastou regiões dos Estados Unidos e principalmente a sempre empolgante Nova York duramente afetada pelas enchentes há muitos cientistas que acreditam que tais tragédias e outras com o mesmo feito se deve às mudanças climáticas resultantes da ação do homem sobre a natureza.
Claro que há sempre os céticos que afirmam que não existem os efeitos daninhos das emissões poluentes sobre o clima e que tudo é “natural”. Afinal, o progresso da humanidade não pode ser contido pelas “teorias” do aquecimento.
Peter Singer, “incansável na denúncia dos riscos do aquecimento global e na defesa dos direitos dos animais” revela de modo enfático que o furacão Sandy não foi “um evento natural”. (2)
Tempestades extremas como essa, evidenciam nossa ingenuidade ao imaginarmos que o conhecimento científico é suficiente para nos proteger delas.”
Defendeatitude radical em relação ao efeito estufa, nas formas de geração de energia e em nossos próprios padrões de consumo – antes que seja tarde demais.” E, “no que se refere ao clima, assim como às plantas, animais e tudo o mais que chamamos de “ambiente natural”, não existe mais “natureza” neste planeta: estamos vivendo numa era em que a atividade humana afeta tudo, em todas as partes do mundo.”

Por tudo isso, a coisa por este mundinho de ninguém deve afetar filhos e particularmente os netos em diversos sentidos, até o da produção de alimentos que poderá ser prejudicada pela degradação do ambiente natural. (3)


Referências:
  
(1) “Apocalipse agora” neste “Temas” de 13.21.2011.
(2) Peter Singer, filósofo, ambientalista, professor de Bioética da Universidade de Princeton e autor de “Vida que podemos salvar” (2011). Entrevista ao jornal “O Estado de São Paulo" de 05.11.2012.
(3) Meu artigo “A devastação ambiental e a reserva alimentar (relatório do PNUMA)” de 22.10.2012 no blog: martinsmilton2@blogspot.com.br. 

Fotos:
(1) "Céu de Piracicaba" - Autor: Milton Pimentel Martins
(2) Foto divulgação das 84 milhões de estrelas da Via-láctea
(3) "Árvores" - acervo próprio
(4) Derrubada de árvores por correntões fixadas em dois tratores (Google)

21/10/2012

ÁRVORES, O QUANTO QUERO


                

O Facebook tem se prestado muito a que seus alinhados mostrem seus méritos, fotos de momentos inesquecíveis e tudo o mais... e até mensagens de cunho “moral”, de autoajuda, piadas, charges.
Prefiro colocar histórias singelas sobre árvores neste “Temas”, porque mais duradouro ainda que a crônica, predominantemente fotográfica, possa não desperte muito interesse. Corro o risco.
Afinal, há crônicas antigas que publiquei aqui que não há dia que não sejam acessadas enquanto outras, até de minha preferência, tem acessos casuais.
Nesta crônica, falo de amoreira, mangueira plantada em solo de pedra, pé de atemoia, coqueiro gigante, ipê roxo, áreas verdes... e aventuras que se perderam.

Amoreira e atemoia e decorrências 


No quintal aí está a amoreira que se expandiu de modo inesperado. A muda quando plantada tinha não mais do que 60 cm num solo rui, com muita pedra.  Agora, sua copa e enorme e caibo “dentro” dela. E amora aos borbotões. Os pássaros deixam por todo parte borrões roxos por dela se alimentarem.

Atemoia: 



Ao lado da amoreira, um pé de atemoia, que plantei de semente e hoje produz um fruto grande, amanteigado. Se de tamanho grande, sem praga, vale por uma refeição. A praga deixa a fruta seca, preta, como se fosse carvão. Todas elas devem ser colhidas e descartadas. 
A semente foi plantada de modo simples, num saco plástico grosso, com boa terra. A muda logo eclodiu, prosperou e já grandinha foi replantada em local com sol predominante e sombra.

Mangueira que dá manga, "pasto" de abelhas


Essa mangueira também uma muda pequena foi plantada por mim, numa área com pedras e mais pedras.
Com muito esforço porque as pedras entortavam as extremidades da cavadeira consegui abrir pequena cova, alargando-a com espécie de formão. Pus o que pude de material orgânico ao fundo, não acreditando que a tenra mangueira vingasse tal a dureza do terreno.
Mas, o que aconteceu depois de alguns anos?
Ela passou o produzir dúzias e dúzias de manga da melhor qualidade. Em num solo de pedras. Em se plantando...
As mangas que caem, porque ela é hoje muito alta, se torna alimentos de abelhas e outros insetos que se deliciam de tal modo com a fruta a ponto de não fugirem quando me aproximo “perigosamente”. Elas abrem túneis sob a casca e por lá ficam por horas.
Ao lado dela, uma ameixeira muito “frequentada” por pássaros que se alimentam das ameixas miúdas mas doces. Plantada também entre as pedras.
Ao fundo, uma pitangueira, “geração espontânea”.

Coqueiro que dá coco 

Este coqueiro, hoje enorme – já falei sobre ele alhures – está plantado em outro local e eu adquiri a muda como se fosse da espécie anã. Mas, não, é da espécie “gigante”. Quando era possível colher os cocos verdes cheguei a contar, numa só vez, 76 unidades. Hoje, espera-se que eles caiam de maduro. Em grande quantidade, eu comecei a doar os excessos. A grossura do seu tronco já me preocupa, porque ele está plantado num canteiro.

Áreas verdes, desleixos e cuidados

Abaixo uma área verde bem nas minhas vizinhanças parte de área maior.
Fora esse terreno usado para depósito de entulho e lixo até que resolvi lhe dar a utilidade para a qual fora reservado. Mantive muitos contatos com a Municipalidade até que, num domingo, resignado servidor mandou um trator que fez a limpeza. Depois, trouxe um pouco de placas de grama e nada mais.

Para sua formação todas as mudas foram plantadas por mim. As covas foram abertas sob chuva deliciosa para aproveitar o terreno mole. Depois, já com as mudas pegas, mais tarde vizinho plantou espécies arbustivas e mudas de pitangueira.


Nesse corredor verde, do outro lado, a beleza de um ipê roxo em plena florada.

problema dessas áreas verdes é que vizinhos ignorantes as usam para “depositar” restos de jardim e até entulho. São incivilidades, num país com mentalidade atrasada onde há um sentido de indiferença e predação.


Tenho feito com as limitações conhecidas, campanhas para o maior aproveitamento da arbustiva hibisco (mimo).
Tem a vantagem de não crescer muito, produzir flores grandes, multicores dando aquele tom de leveza desestressante nesses tempos cinzentos.
Essa planta poderia ser adotada em espaços mais largos entre pistas nas entradas do estado pela mesma razão.
Mas, vá alguém assumir a ideia em meio a essa indiferença e mesmo mentalidade embotada e monocromática “das autoridades competentes”.  Não saem do lugar comum, nem por decreto.


30/09/2012

AMEAÇAS POLÍTICAS NO INÍCIO DA DÉCADA DE 60




[Esta crônica tem pontos políticos, que situo entre realidade e ficção: a crise dos mísseis há 50 anos, autores influentes, contracultura e, sobretudo, saudades. A música "São Francisco", cantada por Scott Mackenzie. A crônica faz parte de um texto maior engavetado por causa da preguiça.]

Voltava com frequência ao Bairro do Ipiranga, em São Paulo na rua Silva Bueno, numa pizzaria famosa. Era muito frequentada.
Ela marcara um pouco a minha vida porque a frequentara desde a adolescência, naquelas noitadas em que muito se filosofava, mas pouco se sabia. Havia, porém, uma grande vantagem: a televisão não tinha o poder avassalador de hoje de fazer cabeças ou, preferentemente, esvaziá-las.
Essas discussões se prolongavam até a madrugada, transferidas na volta para os baixos do principal cinema da cidade, tudo se encerrando com uma dose de um licor qualquer, os mais radicais ingerindo um destilado, conhaque de preferência, bebido ali mesmo no bar anexo.
Vivia-se num certo clima de ingenuidade. Nessas esquinas acadêmicas, eram, pois, inevitáveis esses encontros, todos querendo dar sua versão sobre o mundo, solução para seus problemas e sobre a vida. Por aqueles dias, começaram a aparecer ou se propagar, ao lado dos filósofos da moda, correntes esotéricas que principiaram a dar visões diferentes da interioridade do homem, da divindade, de Deus. Eram os Rosacruzes, Hermann Hesse e o seu “Lobo da Estepe”, “Siddarta”. De tudo isso, nessa mistura de ideias e ideais, espocaria o desejo de liberdade sexual e, com ela a promiscuidade, o V de “paz e amor”... contracultura, anti-guerra do Vietnã, hippies, anti-status quo.

Foram tão marcantes aqueles tempos dos anos 60 para mim e para quem deles usufruíram, que certos eventos permanecem definitivamente na memória. Basta uma música, uma imagem qualquer daqueles dias, para que aflorem episódios agradáveis ou não com incrível nitidez.
De tudo aconteceu naquela década
 Ao lado dessas experiências maravilhosas numa época de muita perplexidade, havia também o medo: os primeiros êxitos tecnológicos nos rumos do espaço, a ascensão de Fidel Castro em Cuba implantando um regime totalitário, a guerra fria, o poderio soviético, desafiando os Estados Unidos...

Tinha em mente muito clara a figura de Kennedy. Irradiava carisma e competência. O presidente soviético, Nikita Khruchev, pelo contrário, lembrava um vendedor de gravatas, com sua careca e com seus paletós largos, um manequim acima. Eram imagens!
A séria crise dos mísseis em 1962, no embate havido entre Kennedy e Khruchev e que beirou uma guerra nuclear entre as duas potências, para aqueles meus idos de adolescência, fora a coragem de Kennedy que vencera os soviéticos.
O que se deu nos bastidores diplomáticos dos dois países não teve a divulgação detalhada na imprensa brasileira, então, ou se teve, não chegara com a ênfase que pudesse materializar uma preocupação real, pelo menos que me lembrasse.
Na sala de aula, um velho professor de francês, o D., com seus gestos delicados que provocavam comentários velados, sua baixa estatura, lentes grossas, fala mansa numa noite começara a aula com uma frase na língua que dominava:
Perguntou ele:
Jeunes, savez-vous que les États Unis et l'Union Soviétique peuvent commencer une guerre nucléaire? Ils sont déjà avec les revolvers atomiques pointés l'un vers l'autre, comme dans un duel du far west, mais où tout le monde meurt. Vous avez déjà imaginé la tragédie? Quelqu'un a-t-il compris ce que j'ai dit? (*)
Silêncio.
- Alguém entendeu o que eu disse? Repetiu a pergunta em português.
Alguns levantaram os braços, dizendo que havia um faroeste com revolver atômico entre os Estados Unidos e a União Soviética.
 O professor riu muito o que raramente fazia. Em poucas palavras, explicou no seu português com leve sotaque a iminência do perigo, o conflito prestes a eclodir e, na sua cristandade, assegurou que tudo se resolveria com a intervenção divina.
 Kennedy fizera concessões aos soviéticos (não invadir Cuba e desinstalar mísseis na Turquia).
 Fora sua prudência que evitaria qualquer retaliação, perigosa naquela fase, enquanto não se esgotasse a via diplomática. A ameaça nuclear foi afastada.
Aliás, segundo Kennedy, “a humanidade deve acabar com a guerra ou a guerra acabará com a humanidade”. Hiroshima e Nagasaki (Japão, agosto de 1948) que o digam!

Mas, até hoje continua uma ameça. Este símbolo trazia mensagem de paz e contra a guerra e o uso de armas nucleares.






Quando do atentado em Dallas, acompanhara com muita emoção, pelo radinho de pilha, os eventos trágicos que resultaram na morte de Kennedy. Emocionei-me às lágrimas.
A guerra fria depois desse pico, teria influência decisiva no Brasil, com a suposta ameaça comunista já no Governo de João Goulart.
A reação se alvoroçara quando Luiz Carlos Prestes dissera que os comunistas estavam no governo, mas não ainda no poder.
Tinha, quando ainda acadêmico, um amigo judeu, estatura mediana, nariz adunco, sempre com seu fusca vermelho, crítico feroz de Prestes. Não fazia concessões o I.:
- Esse comunista, dizia ele, tivera vida política inútil, trágica. Constitui-se herói do nada. Um desastre. Mesmo respeitando a época em que viveu, cheia de ideologias, autoritarismos, preconceitos, guerras e violência inimagináveis, propícia à ampliação do comunismo no mundo. Debito-lhe nessa insanidade os argumentos dos ditadores para implantarem a ditadura.
Mas, os eventos políticos nos idos de 64, com a ameaça comunista se precipitaram, resultando na deposição de João Goulart pelos militares.
Houve festa e alívio no âmbito da classe média alta e baixa que aplaudiu o golpe. A propriedade estava salva.
Nestes tempos de agora, de incertezas me vem à mente com uma dose de saudade aquilo tudo que vivido nos anos 60.

Referências:
(*) Esse texto em francês foi reconstituído por quem tem domínio do idioma. Com minhas reticências no caso de alguma impropriedade.

A música “São Francisco” de autoria de John Phillips (do grupo Mamas and Papas) cantada por Scott Mackenzie:  “Se você for a São Francisco, lembre-se de usar flores em seus cabelos (Be sure to wear flowers in your hair) constitui-se um hino da contracultura da paz e do amor.

Por aqui, contemporâneo (1968), Geraldo Vandré com sua música “Caminhando (“Para não dizer que não falei das flores”) cuja letra era de contestação aos tempos cinzentos do regime militar. Tudo fazia parte do todo.

23/09/2012

NOSTALIA (Entre nostalgia e melancolia)


                     
Não sei bem, mas espero não estar sendo presunçoso em reafirmar que minhas fugas para a pequena Águas de São Pedro me fazem bem. Me permitem naquelas estadas, por enquanto breves, refletir muito. Apelo para o meu "direito ao silêncio".
E não adianta refletir – apenas – nos mistérios do universo tão desafiantes, na medida em que intimamente se têm indagações próprias, angústias, nostalgias, melancolias...


O passado “já era” direis. O que importa é o agora e o futuro. Mas, o que seria do meu agora, sem o meu passado?
Ela está aqui, presente e agora. Das tantas crônicas que já escrevi, espero não estar sendo recorrente com essas afirmações.
Posso dizer, sem mágoas, que nada para mim foi fácil. Não nasci em berço esplêndido e enfrentei minhas “barras”.
A reação para melhor se deu nos meus tempos de estudante, época em que explodi em irreverências, coragem, realizações e...angústias. Sobre estas já escrevi antes. E o que escrevi está por aqui, neste espaço, mas nem eu mesmo consigo localizar com facilidade.

Amigos

Nessas reflexões me veio à mente, aquele trecho da música do meu xará Nascimento, “amigo é para se guardar do lado esquerdo do peito”.
Que tenho a dizer sobre isso?
Tantas décadas se passaram e as faces e gestos se perderam.
Sei que na empresa, nas quantas trabalhei, nunca me deparei com “amigos”, mas colegas, porque nesse ambiente de trabalho, pode tanto se dar hostilidades por disputas de cargos, como mera tolerância, convivência entre os pares. Agora, amizade...
E pior, se se “cai em desgraça”, como se diz, ainda que momentânea, os “amigos” se voltam para o novo ”eleito”.
Dizia – hoje, não penso assim, nem tanto, porque muitos se realizam - que o ambiente da empresa, por todas essas variáveis, era (ou é) um “cemitério de talentos”.
Lembro-me de dois profissionais que trabalharam comigo. Lealdade total no dia-a-dia. Mas, seria amizade? Ou o prazer do trabalho que faziam estando eu por perto?


Dos tempos colegiais – não universitários – me relaciono ainda com muitos deles. Afinal, décadas se passaram e, não tanto amizade, mas a necessidade da convivência, estreita os laços.
Mas, daqueles tempos, talvez não conte os amigos para “guardar do lado esquerdo”, nos dedos de uma mão.
Não sei bem, o tempo e a distância apagam as imagens e a reciprocidade.  As coisas são assim, “o que se há de fazer”?

Pessoas importantes

Há sempre mensagens ressaltando a importância de um aperto de mão, um cumprimento, um sorriso a pessoas próximas, gestos que podem significar um alento, uma esperança, para quem os recebe naquele instante crítico e imperceptível para quem os distribui.
É verdade isso.
Na única vez em que fui demitido de uma multinacional – quantas vezes firmara o pensamento de que essa seria até uma boa solução, que acabou ocorrendo, já escrevi sobre isso – porém, na fase de transição de minha saída não mais do que três ou quatro colegas não recearam manter contatos pessoais comigo enquanto minhas saída ainda não se dera totalmente.
Foi importante para mim que assimilava ainda o impacto da demissão. Pensar ainda que de modo firme sobre um desejo (desejo da demissão) é uma coisa; outra coisa é conviver com ele realizado.
Os outros, inclusive subordinados antes bajuladores, sumiram. Não pensavam que numa empresa a fila sempre anda.
Por tudo isso não tenho apreço pela empresa. Um dia conto porque.

Há pessoas importantes que se sobressaem em relação a vida de cada um.
Esses meus conflitos entre o meu “eu” autêntico e aquele que era obrigado a externar nessas relações profissionais, teria sido, digamos, captados por um dessas pessoas, importantes para mim num momento dado.
Por ocasião da terceira edição do meu livro sobre Sindicalismo, numa resenha publicada num jornal de circulação nacional, ele me qualificara como “pessoa simples e modesta, até com traços de aparente timidez (...) que consegue comunicar-se de maneira simples, em linguagem ao alcance de todos os mortais...”
Realmente essa timidez se fez presente em todo o meu tempo trabalhando em multinacionais.  Como era complicado conviver no dia-a-dia com o verniz estampado nos rostos, superficiais naquele ambiente: “a vida lá fora não se confunde com a vida aqui dentro”.
Essa “timidez” me prejudicou na vida profissional.
Mas, vá lá, sobrevivi.

Almoço: língua ensopada

Trabalhei por algum tempo numa empresa média no bairro do Ipiranga (SP).
Simples “auxiliar de contabilidade”, tinha por motivação, ocasionalmente, atender ao diretor sobre o balancete do dia-a-dia.
Ambiente simples que me agradava mas sabia que ali não estava o meu futuro profissional.
Quão difícil chegar até lá: ônibus lotados na vinda e volta, meus lanches repetidos de queijo e salame – naqueles tempos ainda comia esse embutido, nunca mortadela, mesmo com seu “perfume“ tentador -, o iogurte na padaria na Silva Bueno.


Eis que um dia, um gerente de outra empresa do grupo foi deslocado temporariamente para aquela na qual trabalhava.
Ao me ver surpreendeu-se. Ele me conhecia de São Caetano do Sul, dos tempos das minhas estripulias estudantis.
Quando estava na fábrica, me tratava, sem receio da palavra, com “carinho”. Tudo fazia para que eu não ficasse aborrecido com os dissabores normais no cotidiano de qualquer empresa.
Num sábado ele também veio ao trabalho. No final da manhã foi peremptório:
- Hoje você vai almoçar comigo em minha casa.
Eu estava mal naquele sábado, indisposição estomacal, essas coisas.
Falei sobre isso, mas ele insistiu.
Saímos atrasados.
Quando chegamos à sua casa, a mesa estava desfeita. Sua esposa estava em vias de lavar a louça.
Constrangida com a visita, fez o que pode para nos servir.
O prato?

LÍNGUA ENSOPADA...

Pobre de mim.
Já com estômago revirado, assumi um asco involuntário e nada consegui comer, até mesmo uma garfada de arroz para agradar a esposa do meu amigo tão prestativa. E a ele próprio.
“Minha graça”, que fiasco.
Relato isso para registrar o apreço desinteressado de um amigo em tão rápido convívio.
São pessoas importantes cujos gestos ficam para sempre.


Fotos:
1 – Nebulosa “Pata de Gato” from ESO. Sempre que se olha para o alto se encontra o incompreensível em formas lindas. O que mais dizer dessa grandiosidade, considerando esta nossa vida tão frágil?
2 – Foto do último jogo na empresa Chrysler (Santo André) da qual saí antes que se extinguisse. Ela ilustrou a crônica “Ternura, essa palavra feminina...(?)" de 04.04.2010 que tem conexão muito estreita com esta. Nela se incluem dois amigos leais pelo empenho no nosso trabalho.
3 – Trecho da rua Silva Bueno, no Ipiranga, que teve importância para mim, por um período. Era ali perto o ponto do ônibus.

07/09/2012

MEMÓRIA. DAQUELES TEMPOS CINZENTOS


      

Explicação
Todos os meus textos que tenham alguma conotação política, fora da linha que entendo “literária”, não publico neste Temas, mas num espaço próprio (blog martinsmilton2.blogspot.com.br)
Porém, este tema, que foge um pouco das características de tudo o que aqui já publiquei, revelam minhas experiências nos tempos dos militares.
Pequenas porque trabalhava em multinacional automobilística. Um detalhe que não dá para omitir: tempo de pleno emprego.
Mas, houve horrores nos bastidores, nos departamentos, nos subterrâneos. Artigos sobre esse tema, busquem no outro blog que acima indiquei.

Autocensura

Por alguma razão não muito clara na minha memória, interessei-me pelo movimento sindical. Talvez porque, quando funcionário da GM de São Caetano, nas épocas de eleição da diretoria da entidade sindical, a multinacional, como de resto todas as outras, não davam muita atenção para os sindicalistas..
Muitos daqueles que procuravam a empresa para algum pedido, eram atendidos com desdém na portaria.
Afinal, nos tempos cinzentos da ditadura, nem pensar em instaurar greve ou promover movimentos reivindicatórios públicos. Tudo se resolvia nos Tribunais do Trabalho sob o peso forte das orientações oficiais. Reajustes, apenas a reposição da inflação.
As publicações jurídicas, por seus colaboradores de prestígio quando tratavam dos sindicatos o faziam apenas sob o timbre de sua natureza jurídica, nunca por sua atuação política.
Ora, os idos dos primeiros anos da década de 60 a atividade político-sindical fora por demais intensa. De certo modo, contribuiu para a deposição de João Goulart. Pois não fora o Mal. Castello Branco que qualificara o poder do CGT – Comando Geral dos Trabalhadores, como “ilegal poder”?
Pois, foi nesse clima que em 1976 escrevi um artigo sobre sindicalismo “político” numa prestigiosa revista jurídica. (1)
Não só pela tolerância que tinham os editores com os meus textos, mas certamente que rompera aqueles grilhões para lembrar que os sindicatos eram, como são, entidades também políticas.
Naqueles tempos, os sindicatos, por conta da repressão se converteram em entidades assistenciais.
Pois, bem, um pouco por falta de base outro pouco pela terrível autocensura pelo que um tal texto daqueles poderia representar no âmbito da repressão, o artigo beirou, sim, a mediocridade. Nem mais o fazia constar no meu currículo.
Mas, claro que amigos meus entenderam a minha “dificuldade” em tratar do tema considerando a época e saíram em sua defesa. Gentilezas.

Arapongas, “terceiros” no meio da linha

Em 1978, quando eclodiram as greve em São Bernardo eu estava na fábrica e acompanhei tudo aquilo, o desajeito dos empresários e nós todos em tratar de algo impensado em plena ditadura. (2)
Por todas essas experiências “históricas”, um dia resolvi que escreveria um livro sobre o tema. E ele realmente foi escrito, a quarta edição, pela pressa se constituiu na minha “futura ex-obra prima”. (3)
Quando comecei a cogitar em tratar o tema com mais informações, resolvi que tinha que entrevistar o dirigente principal do CGT que após o 31 de março de 1964 fora banido da vida pública. (4).
Consigo um primeiro contato telefônico e vou me apresentando. A conversa demora, explico meus objetivos e marquei um dia para comparecer à sua casa num bairro modesto de São Paulo.
Esse ex-sindicalista é o mesmo que num documentário sobre Juscelino Kubitschek relatou a advertência do presidente quando o CGT ameaçara uma greve geral em São Paulo, com decisão já tomada pelo Tribunal do Trabalho. (5)
Dissera Juscelino a ele:
- Greve contra decisão da justiça é inadmissível. Nesse caso terei que agir para manter a ordem.
Algo parecido com isso.
A greve não foi deflagrada, segundo o ex-sindicalista. Pois, bem, assim que vou encerrando o telefonema, afirmando que o meu interesse era apenas de pesquisa, tive a nítida impressão que um terceiro na linha suspirara com alívio.
Arapongas a postos naqueles tempos 'chumbados'?

“Quem sou eu?”

A greve de 1980 foi por demais tumultuada e insolúvel no ABC, desorganizando o dia-a-dia da cidade de São Bernardo do Campo. (6). Intransigentes os sindicalistas, inúmeros deles foram presos a mando do Governo Federal, de Santo André e São Bernardo do Campo, incluindo Lula, nas “instalações” do DEOPS de São Paulo.
Muitos daqueles presos se sentiram muito mal, depressivos, embora não fossem maltratados na prisão.
Passado um tempo, todos libertados, um deles, querendo transmitir sua experiência ou simplesmente desabafar, compareceu na fábrica, uma visita, na qual trabalhava, Chrysler de Santo André (hoje, salvo engano,no terreno instala-se uma loja do Carrefour). (7)
Relatou toda a sua experiência “doméstica”, o revezamento da faxina e toda sua angústia naqueles dias de cárcere.
Saindo da fábrica depois de longa conversa, provavelmente esse sindicalista relatou a visita nalgum boteco perto do sindicato.
No dia seguinte, dois policiais a paisana, chegaram de carro nos portões da fábrica e perguntaram para o responsável pela segurança – um ex-militar que me batia continência – quem era eu.
- Ele é o gerente de RI, um estudioso do sindicalismo, respondeu o correto funcionário a mim subordinado.
Os policiais foram embora. Qual ameaça significaria um gerentinho de RI de uma fábrica já com os dias contados para ser extinta?
Era perigoso até conversar com os supostos inimigos do regime.
Arapongas a postos.


Referências:

1.) Revista LTr de 1976
(2) O relato do aspecto mais significativo de minha experiência de 1978, v. minha crônica de 11.05.2010  “Greve de 1978: o início de tudo : o dia em que a boiada virou boiadeiro”, no blog martinsmilton2.blogspot.com. br;
(3) V. minha crônica de 31.10.2010, “A história de uma edição: Errinhos que humilham “.
(4) Dante Pelacani, já falecido. Com o golpe militar de 1964, refugiou-se no Uruguai e depois na Tchecoslováquia, retornando ao país em 1969.
(5) “Os anos JK” de Silvio Tendler.
(6) Um relato envolvendo empregados humildes da fábrica, no decorrer da greve de 1980, v. crônica de 17.04.2011 ”Sermão da montanha”: fragmentos históricos que ficam”.
(7) José Cicote, que chegou a ser eleito deputado estadual.

Foto: Milton PImentel Martins (a foto é muito bonita, mas o raio nela captado simboliza o temor que nos afligia naqueles tempos cinzentos de repressão).