25/04/2010

AMARGURAS, A BUSCA DO REENCONTRO

Na obra prima de Dostoievski, “Crime e Castigo”, há cenas impressionantes. Histórias curtas dentro do enredo principal.
Uma delas é o patético relato do personagem Marmieládov, um alcoólatra inveterado que anula a família, deixa-a na miséria absoluta por conta do vício. Ao chegar à sua pobre moradia, sua penitência eram as surras que a mulher desesperada lhe impunha:
“– Isso me consola! Não creia que isso seja para mim um sofrimento, mas sim um prazer, senhor! – exclamou ele, enquanto Ekatierina Ivánovena lhe sacudia com força a cabeça, chegando mesmo a bater com ela no assoalho”.



O relato que faço é de ouvir contar, mas posso assumir que tem algum fundo de verdade - baseado em fatos “reais”.
Conheço o local em São Caetano: a adega, que não sei se ainda existe, ficava numa avenida que ia do centro até o rio Tamanduateí, cruzando a linha de ferro. A igreja é conhecida como a matriz “velha” da cidade e fica no bairro da Fundação.

A velha senhora todo o domingo, vindo do armazém passava na frente da adega. Num dia desses de sol, olhando para dentro daquele local cheio de sombras, sempre obscurecido e sórdido, foi assaltada, segundo ela, por visões aterradoras.
Conforme relatou à filha:
- Eu vi umas sombras horríveis lá dentro daquela adega, monstruosas, rindo debochadas dos bêbados, se misturando com eles, encostadas nas suas narinas como se tirasse o oxigênio delas dali.
- Mamãe, a senhora não viu nada, a senhora tomou muito sol na cabeça. Está muito calor. Venha que lhe dou um copo de água geladinha e depois deite-se um pouco no sofá!
- Não adianta você duvidar. Eu vi, eu vi e jamais vou esquecer.


No relato de um sonho aterrador que assalta o personagem Raskólnikov,no “Crime e Castigo” no qual há a descrição pavorosa de bêbados massacrando até a morte uma frágil eguazinha, o grande autor russo descreve as imediações da taberna:
“Havia sempre ali uma turba que berrava, ria, se enfurecia e brigava, ou que cantava com voz rouca coisas de apavorar! Nos arredores da taberna sempre andavam bêbados de rostos horríveis!... (...) A passagem que conduz à taberna está sempre coberta de uma poeira negra”.


Mal sabia aquela velha senhora que, cerca de uma hora depois de ter visto aquelas sobras horríveis em volta dos embriagados, deu-se um fenômeno inexplicado.
Um desses alcoólatras de fim-de-semana e às vezes de meio de semana, completamente tonto por tudo o que bebera, ergueu o copo como se fosse um troféu, voltou-se para o sol lá fora e ergueu a cabeça para o último gole, a última gota.
Olhou para o fundo do copo, a luz do sol penetrou por ele, como um caleidoscópio. Como se levasse um violento soco no estômago, curvou-se, cambaleou para trás e caiu sentado violentamente, como se toda a gravidade lhe puxasse para baixo. O copo espatifou-se no chão. Encostou-se sentado no balcão, naquele chão imundo, sem que os demais companheiros de copo lhe dessem qualquer atenção ou ajuda. Porque aquele tipo de coisa não era incomum. Alguns até caiam pelas sarjetas.
Passaram-se os minutos, até que o dono da adega, já preocupado, deu a volta no balcão, varreu num canto os cacos do copo e ergueu o ébrio sem qualquer consideração:
- Vai embora, é hora de ir embora.
Com a ajuda, levantou, cambaleando, curvado com dores terríveis no estômago.
Aos trancos e barrancos chegou em casa. O portão estava aberto como se fosse esperado. A porta destrancada. Olhou para a mulher com os olhos vermelhos porque chorara, para os filhos envergonhados, o almoço já frio no fogão, desviou-se de todos e foi para o quarto.
Sentou-se na cama, cobriu o rosto com as duas mãos, chorou copiosamente e ali ficou por horas.
Envergonhado, nada comeu e no dia seguinte, servindo-se do café ralo com pão seco o possível naquela situação, sem erguer os olhos, a ressaca horrorosa afetando sua mente, dores horríveis no estômago foi para o trabalho que lhe restava. Ainda.

O que viu naquele caleidoscópio do fundo do copo? Nunca revelou. Nunca se soube.


Depois daquele domingo, muitas vezes foi visto, quando aberta, sentado num canto da velha matriz, com as duas mãos cobrindo o rosto e ali permanecia alguns minutos, creio que num processo de reencontro consigo mesmo, nem tanto de fé.




Aqueles momentos de solidão, ademais, eram cruciais, a fronteira entre o antes ou depois do almoço, quando o aperitivo apetece e, não resistindo à tentação, poderia fazê-lo voltar à adega, mesmo com a dor de estômago e tudo que despontava sempre que pensava nisso.

Não saberei informar o desfecho deste relato. Perdi o contato com quem poderia me informar. A única coisa que posso dizer é que torço muito para que tenha ele se reencontrado e nesse caso obtido verdadeira redenção. Torço.

Foto: Matriz "velha" de São Caetano (Google Imagens)

Um comentário:

Caio Martins. disse...

Grande Milton,

escrevi, certa vez, que "esses bares noturnos/ são coisa muito perigosa"... Adegas, tavernas, também... Nem quero igualmente saber o que o fulano viu no fundo do copo. Vai ver, um auto-retrato.

Abração.