04/08/2012

UM TIPO NOTÁVEL



(Dos altos e baixos que a vida prepara)

Deu-se naqueles idos fenômenos da década de 60 onde a vida tinha um sabor de festa, de imortalidade.
Pois, naquela minha vontade imensa de me arrumar na imprensa, de escrever artigos apondo meu nome, essas coisas, fez-me experimentar venturas e aventuras.
Imaginem que num tempo a perder na memória, a lápis, escrevi uma história sobre viagem à lua. De onde a influência? Não sei dizer. Talvez porque desde sempre a lua tem sido para mim um mistério a ser desvendado.  E continua até hoje. “No mundo da Lua”.
Mas, bom que eu confesse que o português, todas aquelas regras, conjunções, análises sintáticas foram sempre dificultosas para mim.
Na informalidade do que escrevia, certa vez, em aula, fui sorteado para ler a redação, lição de casa que a professora havia passado.
Li apressadamente e ao final, “apoteótico”, conclui com sonoro “michô”.
A professora, uma senhora de óculos, não entendeu bem a palavra e eu resolvi que não a repetiria. A professora ficou perplexa e lá veio o sermão:
- Imaginem uma língua tão rica como a nossa e o senhor usa uma palavra dessas que não entendi bem, uma gíria, para encerrar sua redação. Ora, ora... (1)
Foi, então, com esses antecedentes que passei a frequentar e trabalhar em redações da pequena imprensa da cidade. Elas me encantavam.
Por que não estudei jornalismo? Porque naqueles tempos, a predominância era a advocacia.
Havia sempre presente, geralmente à tarde, um sujeito, bom amigo, se não me engano corretor de anúncios do jornal que se esforçava muito em escrever algum texto.
Mas, era muito ruim na redação. Era eu quem dava alguma forma ao que ele pretendia transmitir. Não por ser eu a melhor opção, mas por estar disponível. Ou porque levava a sério seus textos. 
E assim passo a passo, foi organizando uma coluna social, aproximando-se das pessoas destacadas da cidade.
Sua coluna se tornou, com o tempo, bem atrativa, variada.
Por conta disso, um dia, foi convidado a assinar coluna social do jornal mais importante da região.
E com ela tornou-se muito conhecido na região. A coluna levava seu nome. E todo dia, lá estava ele ao lado de personalidades, de políticos, da riqueza, convidado especial dessas festas e jantares comuns nos meios sociais, relatando os passos da grã-finagem, sem esquecer a ‘futileza’ tão do agrado do fútil: “ó Ibrahim, põe meu nome no jornal.” 
Essas expressões comuns: "nímia gentileza"; "os nubentes exultantes disseram 'sim' sob as bençãos do padre X".

Seu êxito era total, merecido pelo esforço em melhorar e a facilidade que tinha em se relacionar com essas pessoas que, afinal, conquistara, tornando-se um “deles”.
Alguns anos depois, talvez nem tanto, sua coluna social deixou de se publicada. Outro nome apareceu no seu espaço.
Este meu amigo desapareceu completamente, pelo menos do meu ambiente de trabalho.
Um dia, tempos depois, eu o encontro casualmente. Estava carregando caixotes num caminhão.

O brilho da vaidade perdera a luz. Mas, a humildade tem seu brilho, seu valor. Na verdade, os extremos se tocam.

 Legendas:

(1) O dicionário Michaelis registra a palavra michar como verbo intransitivo - gíria. Assim: vint gír. Diminuir ou perder o valor; perder a coragem. Eu usei a pronúncia errada ("michô"), com o sentido de “acabou”.

Fotos:
1. Pavão albino
2. Pés no chão, na areia. Palmilha gasta.


5 comentários:

ॐ Shirley ॐ disse...

Mílton, é compreensível que os passarinhos não desçam no seu quintal... Estão todos aqui, no meu pomar. É sério rs! Alimento, duas vezes ao dia, uns 300 aproximadamente. Mas, estou tendo um problema, já tenho aqui, umas sessenta pombas que também foram criadas por Deus e sentem fome... E agora, que faria São Francisco?...

TEMAS LIVRES disse...

Shirley
Certamente que vc se refere ao "Pensamentos irreverentes..." sobre os passarinhos. É que no quintal a que me refiro, há muito verde por perto, lagoa próxima, pelo que esses passarinhos talvez tenham alimentos suficientes. No que se refere à suas pombas e a S. Francisco, mágico como era o santo, creio que ele mandaria que elas buscassem seu próprio alimento, porque elas tem esse forte instinto. Agora, elas no seu quintal, é uma situação complicada. Quem sabe diminuindo um pouco os alimentos de tal maneira que elas voltem a buscar o seu alimento. Sds. Milton Martins

Anônimo disse...

Does your site haνe a contact page? I'm having trouble locating it but, I'd like
tо shoot you an е-mail. I've got some ideas for your blog you might be interested in hearing. Either way, great blog and I look forward to seeing it develop over time.

Here is my web site - site oficial

Anônimo disse...

It is not my first tіme tо visit this web site, i am broωѕing this web sitе dailly аnd obtain fastidious factѕ from heгe dаіly.



Review my webpage :: v2 cigs review

Anônimo disse...

Why ѵіsitoгs ѕtill mаke uѕe οf
to rеаԁ nеωs ρаpeгѕ when
іn thiѕ teсhnologіcаl globe thе whοle thіng iѕ accesѕible on
net?

Heгe iѕ mу web-ѕіte - Www.Storns.Net