28/01/2013

ÉDIPO E A ESFINGE: FRASE QUE NÃO ESQUEÇO / Antígona de Sófocles



Há décadas e décadas na pequena estante do meu pai havia um livro muito antigo, “A Esfinge” cujo autor fora Mondini Belleti. Penso ser esse o título e o livro.
Curiosamente, buscando no Google, encontrei num sebo, a oferta desse livro, cuja edição é de 1923. Talvez o livro que li quando bem jovem, fosse exatamente essa edição.

Li sem interesse e, reconheço, com algum desdém, o livro, cuja história se baseia na tragédia de "Edipo”. Desdém ou não a verdade é que gravei para sempre, “enquanto durar esse sempre”, a seguinte frase do autor que, me parece, sintetiza todo o sentido da obra:

“Se ao invés do enigma proposto, impusesse a esfinge de Tebas que Édipo lhe definisse o homem, e seria Édipo devorado como todos os outros menos desgraçados.”

O desdém se devia à definição do “homem” para mim, então, algo descabido. “Definir o homem”, ora.
Mas, hoje, assistindo o que eu assisto, as mazelas, a violência entre os seres humanos, a maldade desmedida contra os animais, aquilo que tanto já disse, neste mundo de desigualdades onde convivem, lado a lado, a sordidez e a santidade, a frase me faz mais sentido.  E sempre aquela pergunta que não quer calar: qual o sentido de tudo isso, da vida, sob o sol do dia-a-dia?
E Édipo? E essa esfinge de Tebas?

Mitologia grega. Édipo foi vítima de uma maldição. Matou sem saber seu próprio pai e se casou, também sem saber, com sua própria mãe. Conhecida a verdade, Jocasta, a mãe, se suicidou enquanto Édipo, por não ter reconhecido quem era a mulher com que se casara, feriu-se provocou sua própria cegueira e se emasculou (castrou-se).



Dessa história da mitologia grega nasceu a teoria psicanalítica freudiana do “complexo de Édipo” segundo a qual o filho pode ter mais afeição à mãe e menos com o pai. Até mesmo aversão. Essa afeição à mãe se resolveria numa dada idade, com o “complexo de castração”.

E a Esfinge?


Um monstro com cabeça de mulher e corpo de animal (cão) que aterrorizava Tebas com seus enigmas. Não desvendado pelas suas vítimas, eram mortas e devoradas.

O enigma proposta a Édipo:
“Qual o animal que tem quatro patas de manhã, duas ao meio-dia e três à noite”?
Édipo venceu a Esfinge – que foi destruída -, com esta resposta:

- É o homem. Pela manhã ele engatinha com quatro ‘patas’; ao meio-dia é o adulto que anda com as duas pernas e à noite (na velhice) ele se vale de uma bengala, três pernas. (*)

Tudo isso relato por conta dessa frase que decorei há décadas. Essas coisas estranhas da mente que frequentemente afloram. Desta vez dela me livro oficialmente, mas continuo não sabendo definir o homem. E quem saberá?


(*) Muitas são as páginas sobre Édipo, Jocasta e a Esfinge encontradas nos portais de busca, para os que desejarem algum aprofundamento.

Imagens.

1. Edipo e sua filha Antígona, que nunca o abandonou.
2. Representação da esfinge de Tebas


ANTÍGONA de SÓFOCLES


Sófocles (496-406 AC) escreveu uma das tragédias mais conhecidas do teatro grego, “Antígone” (Antígona), filha de Édipo que para mim – e por isso fiz um resumo valendo-me da edição de ebooksbrasil [www.ebooksbrasil.org] – tem algum ponto em que lembra a peça “Romeu e Julieta” de William Shakespeare. (Nessa obra de Sófocles, encontram-se a intransigência da autoridade representada pelo rei Creonte, a sua tardia resignação e a tragédia, o confronto entre o ódio e o amor e a consecução daquilo que já estava escrito, o destino).



Principais personagens (há outros na peça de Sófocles)


Antígone

Ismênia

Creonte

Hemon

Tirésias

Eurídice



Antígone – Ismênia

São irmãs e filhas de Édipo e Jocasta. Antígone chama a irmã para comunicar que desrespeitaria as ordens de Creonte.
Eram irmãos das duas, Eteócles e Polinice.
Com a morte do pai, Édipo, ambos lutaram pelo poder em Tebas, mas, “ao passo que dois infelizes, filhos do mesmo pai e da mesma mãe, ergueram, um contra o outro, suas lanças soberanas e deram-se reciprocamente a morte!”
Então, Antígone relata à dolorosa notícia à sua irmã Ismênia:

“Pois não sabes que Creonte concedeu a um de nossos irmãos e negou a outro, as honras da sepultura? Dizem que inumou a Eteócles, como era de justiça e de acordo com os ritos, assegurando-lhe um lugar condigno entre os mortos, ao passo que, quanto ao infeliz Polinice, ele proibiu aos cidadãos que encerrem o corpo em túmulo (...). Quer que permaneça insepulto, sem homenagens fúnebres e presa de aves carnívoras”.

Ismênia vacila, teme pela sorte da irmã, que decidiu sozinha proceder à inumação do irmão Polinice.

Creonte

Com a morte dos irmãos, filhos de Édipo, assume o reinado de Tebas, Creonte.
Seu édito contra Polinice – negando a sepultura - foi assim explicado por ele:  

Eteócles que, “lutando em prol da cidade, morreu com inigualável bravura”.  Polinice, “que só retornou do exílio com o propósito de destruir totalmente, pelo fogo, o país natal e os deuses de sua família, ansioso por derramar o sangue dos seus, e reduzi-los à escravidão”.

Antigone consegue sepultar o corpo de seu irmão pouco abaixo da relva, sendo descoberta.

É questionada por Creonte sobre a sua grave desobediência. Diz ela:

“Nem eu creio que seu édito tenha força bastante para conferir a um mortal o poder de infringir as leis divinas, que nunca foram escritas, mas são irrevogáveis”.
(...)

Creonte:  “Ah! Nunca! Nunca um inimigo me será querido, mesmo após sua morte.”

Mas,  Antigone: “Eu não nasci para partilha de ódios, mas somente de amor!"

Hamon, filho de Creonte, noivo de Antigone

Questiona o pai pela dura resolução em condenar a morte a jovem:

“Quanto a mim, ao contrário, posso observar às ocultas, como uma cidade deplora o sacrifício dessa jovem; e como, na opinião de todas as mulheres, ela não merece a morte por ter praticado uma ação gloriosa.”
(...)
"Ela morrerá, eu sei! Mas sua morte há-de causar uma outra!"

Mesmo com todas as criticas à resolução, o édito de Creonte, por sua ordem, fora levado à frente.  Antigone foi levada a um sítio deserto e encerrada viva em um túmulo subterrâneo, “revestido de pedras, tendo diante de si o alimento suficiente para que a cidade não seja maculada pelo sacrifício.”

Tirésias, o adivinho

Revela a Creonte que sua resolução lhe trará graves consequências e desgraças.

Influenciado por Tirésias, convencido pelo clamor geral em salvar a jovem Antigone, Creonte se apressa em libertá-la do túmulo.

Tardiamente.

Ao lá chegar, encontra Antigone que se suicidara enforcando-se com os cadarços de sua cintura e lá está o seu filho Hemon em desespero. Cospe no rosto do pai que se aproximara, que clamava que dali saísse, mas seu filho tira a espada, tenta atingi-lo, e se suicida fincando a espada contra o seu próprio peito.

Eurídice

Esposa de Creonte e mãe de Hemon

Sabendo da morte do filho Hemon, Eurídice se fere com um punhal, suicidando-se com “um profundo golpe no fígado, ao saber da morte de Hemon.”


Cleonte entra em profundo desespero, sentindo-se culpado pelas mortes de Antígona, de seu filho Hamon e de sua esposa Eurídice. Pela sua tragédia.


“Não formules desejos...Não é lícito aos mortais evitar as desgraças que o destino lhes reserva!”

Nenhum comentário: