01/05/2014

O SENTIDO DO 1° DE MAIO


Há uma conjugação de episódios que resultaram no feriado do 1° de Maio cuja origem remonta a uma greve operária havida em Chicago, Estados Unidos, no final do século 19. Fora ela deflagrada tendo como inspiração a conquista da jornada de oito horas de trabalho.




Compulsando o periódico “A Voz do Trabalhador”, publicação do início do século passado, órgão oficial da Federação Operária Brasileira, Rio de Janeiro, edição de 1° de maio de 1915, há uma matéria que trata dos “antecedentes” da referida data.

Revela o periódico que entre 1833 e 1834, na Inglaterra, essa aspiração já eclodira com movimentos de diversas categorias, eis que as condições de trabalho eram desumanas, com extensas jornadas diárias.

Fora lembrado pelo citado periódico o “grande socialista” inglês, Robert Owen que explicava, entre outros motivos, o porquê da necessidade da jornada de oito horas:

“Porque é a mais longa duração do trabalho que a espécie humana – calculado pelo vigor médio e concedendo aos fracos o mesmo direito à vida que aos fortes – pode suportar, sem prejuízo para a saúde, conservando os homens inteligentes e felizes;”

E também:

“Porque oito horas e uma boa organização de trabalho podem criar uma superabundância de riquezas para todos;”

E sem faltar com a esperança utópica:

“Porque o verdadeiro interesse de cada um é que todos os seres humanos sejam inteligentes, de boa saúde, contentes e ricos.”

O quadro subumano das condições de trabalho resultaria, 13 anos depois, em 1847, no “Manifesto Comunista” de Karl Marx e Friedrich Engels, que influenciaria os movimentos operários a a par de sacudir a sociedade que entre outros ordenamentos proclamava:

“Os comunistas não se rebaixam a dissimular suas opiniões e seus fins. Proclamam abertamente que seus objetivos só podem ser alcançados pela derrubada violenta de toda a ordem social existente. Que as classes dominantes temam à ideia de uma revolução comunista! Os proletários nada têm a perder a não ser suas cadeias. Têm um mundo a ganhar.”

E o “grito” célebre: “Proletários de todos os paises, uni-vos.”

Mantidas as condições adversas de trabalho, deflagra-se a greve em Chicago precedida de intensa campanha objetivando exatamente a obtenção da jornada de oito horas. Data: 1° de maio de 1886.

Alguns patrões, antecipando-se ao movimento, fizeram a concessão. A manifestação se concentrava na praça Haymarket. A adesão era forte provocando; a repressão policial também. No dia 4, a concentração de trabalhadores se dera exatamente para protestar contra a truculência policial. No confronto que se anunciava, explodiu uma bomba no meio policial, fatal para uma dezena deles.

A reação fora violenta, fazendo dezenas de vítimas entre os grevistas. Identificados os principais líderes, cinco foram condenados à morte. Quatro foram executados em 11 de novembro de 1887, havendo um suicídio. Outros três foram condenados a trabalhos forçados.

Havia dúvidas, porém, quanto aos verdadeiros autores do atentado que vitimara os policiais. Havia radicais infiltrados. Por isso, revelaria a “Voz do Trabalhador”, de 1913:

“Em 1893, o governador do Estado de Illinois levou a cabo uma revisão do processo. Resultado, todos aqueles oito homens eram inocentes. Os três que estavam presos foram postos em liberdade. E os outros cinco...ah! estes estavam mortos...não havia mais remédio.”

Poucos anos depois, o 1° de maio passou a ser guardado como data emblemática de luta, de sacrifício, de luto. Pelas oito horas. O Dia do Trabalho.

Nos Estados Unidos, compreensível (!?), o Dia do Trabalho não é comemorado no dia 1° de maio, mas na primeira segunda-feira de setembro. Isso desde 1884, segundo revelações históricas nada claras, sintomaticamente antes dos eventos de Chicago que ocorreram em 1886.

Há, porém, entidades sindicais americanas que contestam essa data, acentuando que o verdadeiro Dia do Trabalho é o 1° de Maio.

E como seria comemorado o Dia do Trabalho?

A rigorosa Federação Operária Brasileira, a contragosto não escondia, já em 1909, na edição de “A Voz do Trabalhador”, um encaminhamento festivo que começava a ser dado à data:

“Todos gritam contra a festa e a maioria aprova-a. Muitos tomam parte ativa na sua organização, embora julgando que não tem razão de ser. (...) Por isso, amigos, gritemos menos contra o caráter de festa que, com a nossa aquiescência toma o 1° de Maio, e trabalhemos mais por dar-lhe o caráter de protesto que afirmamos dever ser”.

E nessa linha, transcrevia, como muitas vezes fez, o “Hino Primeiro de Maio”, cuja primeira estrofe é a seguinte:

“Vem, ó Maio, saúdam-te os povos,

em ti colhemos viril confiança;

vem trazer-nos cerúlea (*) bonança,

vem, ó Maio, trazer-nos, dias novos.”

Entre nós, no tocante à jornada de oito horas, em 1902, os socialistas reunidos em São Paulo, propugnavam:

“Exercer pressão constante do trabalho sobre o capital, para que se consiga a limitação das horas de trabalho e que as greves dos operários venham a ser reguladoras do aumento de seus ordenados e das conquistas dos seus direitos sociais.”

Foram muitos os movimentos operários na busca das oito horas. Em 1917, em São Paulo, os operários de diversas categorias fizeram greve severa com resultado parcial porque muitos empresários premidos pelo movimento fizeram concessões para depois voltarem à prática anterior.

E como estamos hoje?

A velha CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, de 1943, em muitos bolsões ainda é uma aspiração, há a prática do trabalho escravo em alguns rincões e os sindicatos sustentam-se mamando nas gordas tetas da contribuição sindical, dinheiro fácil que incentiva a constituição de milhares de entidades pelegas.

Mas, para meu consolo, para sustentar todo o aparato e mordomias dessa “pelegada”, esses sindicatos de carimbo e assemelhados oferecem alguns empregos.


(*) Cerúleo: da cor do céu.


Imagem: "Operários" quadro (1933) de Tarsila do Amaral

Nenhum comentário: