26/02/2016

LIVRO JOANA d’ART DISPONÍVEL (192 Páginas)

JOANA D'ART DE MILTON MARTINS

É um livro com timbres autobiográfico do Autor, suas memórias e, no meio de reflexões está a história de Joana d'Art.

O Autor é um advogado que por décadas trabalhou em empresas multinacionais e que, num dado momento, sem emprego, é obrigado a se instalar com escritório próprio.
Sem experiência, enquanto aguarda a chegada de clientes, tem fortes recordações, até com emoção das muitas experiências boas e ruins quando empregado.

Alguns episódios dos tempos do sindicalismo no ABC (1978/1980) são explanados para bem situar suas reminiscências.

Nesse recomeço, retorna aos tempos de sua juventude, dos traumas e das lições da rua quanto ao significado do sexo.

Lembra o Autor que no início da década de 60, o "clamor do sexo" era contido ou reprimido. Não se viam moças jovens grávidas como nestes tempos de hoje. Os jovens se deparavam com os seus impulsos sexuais (in) contidos, gerando entre eles as decorrências desse estado "repressivo".

O Autor relata experiências místicas como a que começou na avenida Paulista e se encerraram no Cemitério da Consolação em São Paulo. Não poucas vezes, em momentos de angústia questionou o significado da própria vida ao se deparar com incompreensões e experiências amargas.

No escritório, certo dia, é visitado por uma humilde senhora, residente numa favela, que alega entre lágrimas que seu filho foi injustamente preso, implorando que vá o advogado à delegacia onde está detido com o objetivo de libertá-lo.

Porém, constata que o “filho inocente” era um bandido perigoso, estuprador. 

Do estupro relatado no processo os eventos eclodem.


Joana era sua companheira, muito bonita, que acabou mais tarde presa numa pequena prisão feminina, por golpes praticados contra idosos, quando não batia a carteira dos mais “empolgados” pelo modo sensual como agia.

Na prisão é ajudada por uma carcereira resultando em alteração no seu modo de agir. Ela tem experiências místicas na prisão.

Em torno desse episódio central, o advogado enfrenta situações as mais diferentes, inspiradoras e desafiadoras, até mesmo a traição e o desdém de antigo colega de escola.

Mas, é na “visita” à favela que novos elementos se sobressaem: a constatação da extrema pobreza, as condições precárias de vida, higiene precária, a solidariedade e as divergências entre os moradores e a luta de dona Nair, a doceira, mãe do bandido.



O livro pode ser considerado "adulto moderado". Tudo é expressado com realismo tendo como pano de fundo, predominantemente, uma época brilhante: a década de 60.




Experiência:

1. Nesse meu livro aproveitei textos de algumas crônicas que escrevi no meu blog “Temas” ao longo dos anos (foram mais de cem), preferindo assim usá-las a publicar um livro específico com as melhores delas;

2. O livro, na década de 60, faz breve “viagem” aos principais eventos e a influência sobre a juventude 60, toda a sensibilidade que marcou aquela época, mas também o “clamor do sexo”;

3. Nesses eventos todos, a memória reavaliada repensando fatos vividos, eclode a história de Joana, a d'Art com episódios também inspirados em fatos reais e, com ela, as angústias do advogado sem experiência na área criminal;

4. Embora inserido no CreateSpace - Amazon, foram imensas as dificuldades de edição, sem esquecer o novo acordo ortográfico. E ainda há duas ou três pequenas inconsistências. Contei com a paciência imperturbável do meu filho Otávio Pimentel;


5. O livro é, sobretudo, de redenção, de reposicionamento da vida.


O livro está publicado no site abaixo em duas versões:

E-book: que será baixado no próprio computador e assim lido. É necessário cadastro: www.amazon.com.br
(No e-book  a impressão tem falhas de estética em algumas páginas mas em nada afetando o conteúdo).
Pagamento: US$6,00 por cartão de crédito. 

Impresso: deverá ser encomendado no site, sendo necessário, também, o cadastro prévio: www.amazon.com
Pagamento: US$8,00 + frete por cartão de crédito. 
[Esses valores podem ser alterados ocorrendo a variação do câmbio].



Títulos dos 12 capítulos

1 - De como tudo se encaminhou ao recomeço

2 - De como chegou Nair chorando por seu filho

3 - De como se deu a prisão por engano

4 - De como se uniram o beato, a sedução e o poeta

5 - De como despertam os horrores e as angústias

6 - De como as poluições ambiental e mental são amenizadas pelos risos da cidade

7 - De como Joana foi parar num pequeno presídio distante

8 - Das gentes da prisão, suas angústias e semelhanças

9 - De como um dia comum de indecisões despertaram alucinações

10 - De como vacilei mas cheguei à favela para cumprir a missão

11 - De como Joana foi libertada e rumou para a favela

12 - De como se deu uma dolorosa redenção.


INFORMAÇÕES SOBRE O LIVRO


1. Romance
  
2. Memórias

Todos os direitos reservados

Copyright © 2015 Milton Martins

Registro Fundação Biblioteca Nacional n° 452.716  (Lv. 850 – fls. 376)

ISBN 978-1522801337

Prefácio: Caio Martins

Capa: Sidney Caser

Revisão e incentivo: Gisele Pimentel Martins


Medidas: 

22,80 x 15,00

192 páginas

Edição: CreateSpace - Amazon

Impressão: Estados Unidos / 2016





Finalmente:
Meus caros: o meu livro “Joana d’Art” não se refere aos humores, digamos, da classe média alta. Não! O relato, incluindo reflexões minhas e também experiências que se aproximam das minhas próprias, se refere do que decorre de um estupro, dos bairros periféricos com ruas de terra, “clamor do sexo” (daí ser moderadamente adulto), prisão feminina na qual Joana muda o modo de encarar a vida inspirada em Joana d’Arc, a vida na favela, a redenção. O livro tem um timbre feminista.

DIÁRIO DO GRANDE ABC DE 15.06.2016



O texto do Diário do Grande ABC:

Neste romance, a memória do Grande ABC


Ademir Medici

Enquanto aguarda a chegada de clientes, tem fortes recordações, até com emoção, dos tempos do sindicalismo no ABC e das muitas experiências boas e ruins quando empregado.”
Da apresentação deste livro belíssimo

 “Na história de Joana d’Art – que recebera inspiração de Joana d’Arc – se trata de ficção, embora haja elementos verdadeiros. Nessas passagens, há experiências místicas, algumas verdadeiras, cujo julgamento fica a critério do leitor.”

Do relato do autor
A literatura como um todo, e a do Grande ABC em particular, fica mais rica com o livro Joana d’Art, de Milton Martins, que acaba de ser lançado. Um livro de ficção e memórias, com uma história bem escrita e elementos factuais da vida contemporânea do Grande ABC. Tem muito de autobiográfico e de cenários e acontecimentos atualíssimos.
Numa troca de informações com o autor, hoje advogado em Piracicaba, mas com toda uma história relacionada à região, fomos aprendendo:
- Tudo se deu aí no ABC, na delegacia de Utinga, mas sem divulgação expressa.
- O Fórum é o de Santo André.
- Meu escritório era na Xavier de Toledo, esquina com a movimentadíssima Luiz Pinto Flaquer.
- A favela referida é a da Vila Palmares, “apenas para situar uma certa realidade porque a ‘minha’ favela é ficção”.
- E a surpresa maior, em especial para quem estuda o movimento dos metalúrgicos a partir da greve de 1978, da Scania e da Fontoura, em São Bernardo...
- Milton Martins vai esclarecendo:
- O ‘engasgo’ na greve de 1978 – “o dia em que a boiada virou boiadeiro” – eu desvio a experiência para um amigo, mas fui eu mesmo a ‘vítima’ na extinta fábrica de Santo André da saudosa Chrysler (fundição – montagem do caminhão).
- A descrição do meu escritório aí fora no prédio da Xavier de Toledo de Santo André. Afinal, os episódios principais de ‘minha vida’ se deram no ABC (em Sanca – São Caetano – da minha intensa participação estudantil e na pequena imprensa da cidade).
CHEGA JOANA
O livro é ótimo. A história é linda. A gente começa a ler e não quer parar, para usar uma expressão de tantos, mas que neste caso é a mais verdadeira. Há uma identificação com o enredo, os personagens, as circunstâncias, os pontos onde se desenvolve a ação – por isso dizemos: o leitor aqui da Memória irá se descobrir no livro.
O ator principal trabalhou na indústria automobilística. Demitido, busca uma nova colocação. Nada de conseguir. Decide-se a abrir escritório de advocacia, ainda inseguro – chegarão os clientes?
(Trata-se do citado escritório praticamente ao lado do 1º Distrito Policial de Santo André. O escritório real vira ficção, mas é ele próprio).
No escritório aparece uma humilde senhora, residente numa favela, que alega entre lágrimas que seu filho foi injustamente preso, implorando que vá o advogado à delegacia onde está detido com o objetivo de libertá-lo. O filho, um bandidão, casado com a Joana – bela e formosa mulher, título do livro. Aí começa a trama, que prenderá de vez o leitor.
Mais informes do autor:
- 'Dona Nair' é verdadeira e a ‘Joana’ também. E também o estupro. A partir daí enveredo para a ficção.
- A prisão que eu visitei, um presídio feminino pequeno como descrito no livro, era, porque desativado, em Charqueada, a mais de 200 quilômetros de Santo André.
O AUTOR
Milton Martins é advogado, formado pela PUC-SP, turma de 1972. Ex-colaborador do Diário, “nos tempos do Fausto Polesi”. Estudioso do sindicalismo.
Escreveu o livro Sindicalismo e Relações Trabalhistas (LTr Editora). Acompanhou de perto a evolução do sindicalismo no Grande ABC. Participou de eventos importantes nos anos 1970 e 1980. Hoje mora e trabalha em Piracicaba, mas está sempre em São Caetano.
 PARA TER O LIVRO
Portal do CreateSpace – Amazon. Para facilitar o acesso, acionar o Google inserindo o título ‘Joana d’Art’. Também pode ser no contato pessoal com o autor miltonmartins44@outlook.com


JORNAL DE PIRACICABA DE 22.05.2016


Foto de Milton Martins.


E-mail de contato e aquisição direta:
miltonmartins44@outlook.com












Nenhum comentário: