07/06/2009

ECOLÓGICOS

Explicações

Sou um otimista por opção pessoal, “para mim tudo está ótimo”, repito, mesmo nos reveses próprios de minha profissão. O baque de hoje será, logo no dia seguinte, a inspiração para (tentar) a reversão do insucesso ou minimizar seus efeitos.
Tem sido assim há anos. Do ponto de vista externo, porém, isto é, o que se passa à minha volta e no mundo, há momentos que meu desânimo beira a depressão, tamanhas as cenas de violência, de abandono e o desrespeito que diariamente se conhece em relação ao meio ambiente.
Pois bem, nessa visão “externa” sou pessimista. Na questão ambiental estamos vivendo uma situação limite à beira do caos.
Há alguns anos, num desses delírios e comoção diante da devastação crescente da Amazônia e da poluição global, escrevi breve texto ao qual denominei “oração anti-insensatez”.
Amigos velhos que o leram, o julgaram pessimista e apelativo demais. E até piegas. Invoquei a intervenção de Deus – mas, onde estará Deus no seu mistério ao assistir esses desvarios? – ao refletir naquela noite clara, encarando o universo que sempre humilha minha “inteligência” menor.
Hoje, passados esses anos, obrigo-me a mais uma vez transmitir minha “oração”, mais do que isso, um “clamor ecológico”, pouco importando se emotiva, pessimista ou piegas. Agora mais do que nunca.

Depois dela, duas poesias também invocando temas da mesma natureza.



Clamor ecológico

Com profunda dor assisto a destruição das matas que, derribadas pelo fogo ou serra, arma maldita, viram pasto ou deserto.
Também a odiosa valoração da árvore pelo quantum em vil metal.
Com profunda amargura vejo animais desrespeitados, apreendidos mortos, covardemente caçados como esporte, extintos.
Para mim, carne não é alimento.
Com terrível preocupação vejo os rios e lagos serem poluídos e mesmo mortos,
sem vida, sem peixes.
Com desencanto constato os oceanos imundos, ameaçados, despejo de todos os detritos e até óleo de navios tanques, dirigidos por facínoras.
Com perplexidade apreendo que a água que se bebe, elemento vital, pode ser a mesma de onde se despejam detritos incompatíveis e sujeita à escassez.
Com sofrimento sinto cada vez mais o ar poluído, nuvens sórdidas que escondem o sol, tremenda insanidade, descaso com as atuais e ameaça às futuras gerações.
Porque, meu Deus
Amo a mata cerrada como reduto de paz, guardiã de tanta vida, de borboletas, de flores, mundo dos macacos, pássaros, serpentes...
Tenho profunda ternura pelos animais, ondas de vida que merecem respeito
e acolhimento.
Tenho saudades das águas límpidas dos rios e lagos onde podia banhar os pés sem medo de contaminação.
A imensidão dos mares é um ponto de reflexão, pela sua harmonia sinfônica e porque neles habitam deuses da criação...como nas matas.
Por tudo isso compreendo o mundo mais
triste
tenso
quente
violento
pobre
sofrido
doente
esfomeado
sedento
Desrespeitada, a Terra reage com terremotos, enchentes, tornados, desertos irrecuperáveis, doenças, destruição. Causa e efeito.
Caio em oração, implorando indignado que nós todos mudemos nossa mente, atitudes, lembrando sempre que, nestas plagas antes paradisíacas, seus recursos não se renovam com a velocidade de sua terrível destruição.
Haveremos um dia que deixá-las, até mesmo abruptamente, na nossa hora, ficando ao “deus dará” todas as nossas riquezas e misérias pessoais.
Por isso, deixemos nossa marca positiva de reconstrução, de incentivo, de preservação dessas riquezas que (ainda) restam como dádivas e que ficarão (ou deveriam) para nossos descendentes.
Comecemos partir de hoje, de agora.
Eu peço, eu imploro. Com esperança de tempos melhores. Amém.


Orquídeas e beija-flores

Eis-me aqui amargurado e pensante
Mal respirando nesse clima insano,
Tudo que exala desse meio paulista urbano
Envolto na fuligem dessas chaminés rasantes.

Que mundo é este de dura resistência!
Que mundo é este de intensa incerteza
Que mesmo à reação da pródiga natureza,
Ampliam-se os desertos por abusada inconsequência?

Que mundo é este de ganância e escuridão,
Que princípios postos pouco ou nada valem?
Se de tudo que inspira sucumbe, porém,
Nessa sanha caótica de destruição?

Reajo impotente qual um conformado perdedor
Sonhando acordado, no tráfego, quietamente,
Vendo desabrochar orquídeas no fundo da mente,
Visitadas por beija-flores em doce torpor.

E assim, no interior de minh’alma triste
Revela-se que tais doces criaturas, parecem,
De Deus, são o preferido passatempo, uma prece,
E somente por essa dúvida a esperança persiste.

Esses instantes de valor e Paz perdem-se na poluição,
Sobressaltado não pela água límpida irradiando o sol,
Mas pela barulhenta abertura do farol,
Cujo verde não é o das matas que clamam proteção.


Templos violados

Pelos recantos fechados da floresta,
Atuam Espíritos cultivando flores
O portal místico decomposto em cores,
Pelo sol enfeitado por estreitas frestas.

Um Templo sob azul e límpida nascente
Permitia saciar n'Alma adormecida,
Inspiração profunda no mundo perecida
Intuindo orações de elevação crescente.

E assim, naquele ambiente purificado
Buscavam consolo e amor, desiludidos
Palavras interiores de paz, esquecidos,
Ali o filósofo apreendia a magia do iniciado.

Haveis que instrumento de trêmulo corte,
Trepidando fio, avançando duro e feroz,
Fez do Templo nada, senão estalo atroz
Num dia em que ao céu clamou a morte.

Que delírio insano ocorrera, porém?
Na inscrição berrante anunciava tal torpeza:
"O progresso derrotara, forte, a natureza"
Restara então, do Templo, nada mais que desdém".

3 comentários:

Caio Martins disse...

Caro Milton,

não sei em que, ou quanto tempo, a natureza se refará, desde que o único elemento estranho desapareça: nós. Destruimos, compulsivamente, todas as formas de vida, inclusive a própria. A natureza está certa. Nós, erramos de planeta.

Abração, mano-véio.

fequalma disse...

Caro Milton,
Seu clamor é forte, contagia e emociona! Façamos a nossa parte, mesmo a enxergando pequena e quase inútil, façamos. Contaminemos a quem de nós se aproximar, deixemos a mensagem. Enquanto o bicho-homem for mais homem do que bicho a Natureza inexorávelmente responderá. Quando ao abrirmos a janela numa feia manhã e depararmos com algo assustador, mais tempo não haverá. Iremos comer dolares e ações ...
Abração e Parabéns, Pedro Da Ros

Márcia Sanchez Luz disse...

Milton, seu clamor deveria ser o de todos os seres que habitam este mundo. Não acho piegas nem pessimista; é, sim, realista. Dói demais assistir à destruição da natureza. Ela, por sua vez, se rebela e dá seu grito de alerta.
Parabéns pelos poemas e obrigada por partilhar seus anseios!

Um abraço em seu coração

Márcia