07/02/2010

ALUCINAÇÕES PAULISTANAS (III)












Barão de Itapetininga (São Paulo).
Foto:www.vivaocentro.org.br/noticias/arquivo/04120



Continuação (última parte)


Há palavras que encerram a própria ação. Da sua desconsolação, houve na rua a consolação – ação de consolar. Recuperou-se. Antiguidade - idade antiga.
Recitou uma estrofe:
Volto-me para mim, miro-me n’alma
Medito no todo dessa realidade (?)
Insisto em desvendar a centelha calma
Mas, apenas intuo que já vivo antiga idade...


Nessas sensações alucinatórias, de vez em quando, no silêncio da sala de sua casa, já no começo da madrugada, sentia-se observado.
Olhava em direção à sala de jantar e do lado direito, na porta de acesso à cozinha, não foram poucas as vezes que parecera ter visto um vulto branco a espreita. Seria reflexo das lentes dos óculos que recebiam a claridade da luz acesa sobre sua cabeça? Ou o quê? Ou alucinações, apenas?
Sempre que tinha essa impressão batia aquela vontade de meditar sobre o evento morte e as coisas simples e inexplicáveis da vida. E nesses momentos vinha-lhe à mente um diálogo que tivera com um colega de trabalho que se proclamava agnóstico, num velório de amigo comum:
- Explique a diferença entre o Alcides deitado naquele caixão inerte e você aí de pé perplexo e emocionado. Considere que há dois dias, falávamos com ele no almoço. Hoje ele está lá, sem expressão, sem respiração, sem voz. Um defunto.
Ele apenas me olhou deu de ombros respondeu:
- Por isso sou agnóstico. Não me atrevo a explicar, só aceitar.
Era muito comum para o advogado, ao acordar de um sono profundo, sentir-se angustiado ao constatar que voltara a ser regido pela lei da gravidade, devendo carregar seu corpo denso, para lá e para cá, atrás de objetivos nem sempre agradáveis. Porque no sono, parece, a alma, o espírito ou o nome que se queira dar a essa luz que se apaga com a morte, desliza no éter sem peso, faz viagens distantes com liberdade e com a velocidade do pensamento.
Retornar à luta terrena poderia causar em momentos de ansiedade, um certo mal-estar. Esse contraste, dá uma idéia entre a possível leveza do outro lado e a vida dura deste lado, do lado que se julga ter consciência de tudo o que se passa em volta. Tudo vaidade de vaidades. Não se tem consciência de nada!
E nessas lucubrações, não faltara a “presença” de uma suicida, moça inteligente, com forte postura profissional e invejável cultura formal. Fora sua subordinada por alguns meses, na última empresa para a qual trabalhara.
Rosto que lembrava descendência nórdica, um quê da atriz norueguesa Liv Ullman, cabelos lisos claros, olhos castanhos claros, sorriso aberto e gestos delicados. Sua vida não fugia muito da média. Trabalhara em São Paulo, morando sozinha, visitava os pais quase que semanalmente e tinha bons amigos. Demonstrava alguma devoção religiosa, pendendo para o catolicismo.
No seu relacionamento profissional, porém, mostrava-se insegura. Insistia em lembrar os tempos em que fizera teatro amador. Daí, seus gestos teatrais, sua entonação de voz, sua pouca simpatia, seu artificialismo.
Meio reservada, somente depois de algum tempo, começou a se descontrair, embora, com alguma regularidade, revelasse momentos depressivos.
Certo dia, resolvera mudar sua vida profissional ou retornar ao que tivera antes. Aceitara proposta de trabalho em São Paulo, o que possibilitaria um convívio num outro ambiente profissional, mais "inteligente", dizia, no qual se dera melhor no passado.
Tempos depois, por razões de mercado de trabalho, fora demitida. Ficara desempregada, frustrando todas as suas expectativas.
Meses mais tarde, nas vésperas das festas de fim-de-ano, período em que a solidão bate forte porque o espírito natalino pode não ser apreendido por aqueles angustiados, na casa dos seus pais, tomando um velho revólver esquecido carregado parcialmente, fechou-se no seu quarto sem trancar, mirou-o contra o próprio peito e apertou o gatilho.
O tiro fora fatal. Atingira o coração. Nos segundos que se seguiram à sua morte, às pessoas que às pressas vieram em seu socorro ao estrondo, disse tenuemente que se arrependera e de que não queria morrer.
Apenas um momento de irreflexão, conduziu-a a um caminho sem volta.
O instinto de defesa é anulado, sobrepondo-se o sonho e a esperança do encontro da leveza num mundo no mínimo não tão denso e amargo como o seu. Por ruim que fosse, seria melhor do que a sua vida, teria acreditado ela.
Um tal gesto, porém, mesmo que tomado num momento de amargura e dor, exige uma imensa coragem e renúncia porque a viagem ao desconhecido tivera a hora antecipada. Certamente que não seria bem recebida para o local que deveria se apresentar porque desembarcaria antes da hora. Não haveria recepção.
Nesses casos, arrepiado com os vultos que via, sempre se perguntava que tipo de vozes interiores ouve o suicida no exato momento em que age contra a própria vida? Que vozes tão eloquentes são essas que suplantam o instinto primário da preservação? Se, ao longo da vida, há a preparação instintiva para a morte natural, aí incluída a acidental de qualquer natureza, quais os efeitos do suicídio no exato momento da passagem para o outro lado da existência?
Essas perguntas, ao longo do tempo, o afligiam muito.
Convencera-se haver uma transcendência que martela, conduzindo-o a aceitar o princípio da reencarnação. Porque, havia decorado a frase do "Bhagavad Gîtâ": "com a morte, não se perde nada daquilo que a alma adquiriu. As experiências que o homem fez nas vidas passadas, tornam-se instintos e incitam-no ao progresso, até inconscientemente."
Por longo tempo, aquela moça suicida passara em sua mente. Com ela sonhara, vendo-a escondida num canto sórdido acenando. Uma presença relativamente constante, especialmente nos seus momentos de solidão e calma.
Certa vez, num desses dias que o rosto da suicida viera à sua mente, quando cochilava em plena Catedral da Sé, quase vazia, encarando a figura de Cristo pendente, sempre, numa cruz, fez uma oração com palavras de paz e homenagens a ela. A partir daí, sua presença foi se tornando cada vez mais rara, mais rara, até desaparecer por completo.


Agora os ônibus estavam próximos trafegando pela Consolação, barulhentos e expelindo monóxido de carbono em seu rosto, as pessoas também próximas já não emitiam cores, apenas um semblante carregado e preocupado. Tudo voltara ao normal, passara a andar no chão duro daquilo que chamava realidade.
- Ao normal? Pensara ele, tentando esquecer aqueles momentos assombrosos e reagir.
Esses seus devaneios o assustavam, porque lembrara-se do que se passava com o príncipe Michkin no romance “O Idiota”, de Dostoievski ao pressentir e depois passar por um ataque epiléptico.
Fez a longa caminhada a pé com destino à praça da Sé.
Seguiu pela Barão de Itapetininga, para admirar por fora o Teatro Municipal no outro lado. Uma construção monumental pelos seus detalhes. Um dia estudaria com calma o que significara no seu todo a “semana de arte moderna” de 1922 que ali se fizera e que contara com a adesão de artistas e intelectuais, adeptos do modernismo, que se propagava na Europa.
Melhor ainda, dia desses conheceria o Teatro por dentro.
A Barão lhe fora sempre muito especial. Era nessa rua que tivera, havia anos, aquela sensação agradável de anonimato, de sua individualidade, de sua alma com a certeza de que muitos rostos com os quais cruzava pareciam ter essas mesmas sensações agradáveis. Essas sensações voltavam sempre que se assentava calmo numa rua movimentada qualquer, mesmo no calçadão próximo do seu escritório, ao observar homens e mulheres que transitavam. Mas, era na velha Barão que tudo acontecera e acontecia sempre com mais cores.
Cruzou o viaduto do Chá, saiu à direita pela Líbero Badaró rumando para a Praça da Sé.

A Catedral da Sé sempre fora para o advogado nas suas idas a São Paulo um porto seguro de repouso e meditação, naquelas tardes quentes nas quais a modorra prevalecia agravada pelo ar poluído.
Surgida a oportunidade, procurava o silêncio relativo da Catedral para receber suas vibrações harmoniosas como forma de minimizar um pouco a agressividade de São Paulo.
julgava-se um herege ao olhar impaciente a imagem do Cristo na cruz, com aquele rosto todo injuriado, sem possibilidade de dela se libertar. Pensava em Cristo, na igreja, de braços abertos, em forma de cruz, recebendo os fieis de boa vontade como vencedor e não como um eterno derrotado de cabeça baixa no crucifixo.
- Deixa pra lá. Esse meu pleito não encontrará guarida. E, ademais, não tem jeito. Entra ano sai ano, volto-me à serenidade da Catedral da Sé, pensou, com a cruz ou sem ela.
Sempre que saía da Catedral para a praça da Sé nos rumos da rua de São Bento, o encanto se esvaía. A praça mais conhecida de São Paulo, ponto central do metrô paulistano, estava deteriorada pelos botecos, pelos camelôs, pela sujeira de restos de frutas jogados pelos cantos das calçadas. Cheiro de urina nas muretas da praça.
Em outros tempos, quando havia perfeita separação entre a Sé e a praça Clovis, era um prazer mirar ambas num mesmo nível da esquina da Tabatinguera, como se uma porta se abrisse ali e por ela se entrasse na grande metrópole.
Já de volta nos caminhos do escritório, não poderia deixar de refletir sobre tudo o que passara naquela tarde.
Não percebeu qual fora o trajeto de volta ao escritório tais foram as perturbações e experiências vividas naquele dia.
Quando reassumiu sua consciência mundana, estava estacionando nas suas proximidades, vivenciado um instante de inspiradora serenidade.
Dando-se conta da volta ao comum, à rotina, à tranqüilidade relativa de seu escritório – seu reduto – apenas sorriu e, como se gesticulasse para alguém à sua frente, abriu os braços, deu de ombros e se ligou no sistema e na perspectiva de sobrevivência.
À noite, no silêncio da sala de sua casa, todos dormindo serenamente, com seus vultos à espreita reabriu o romance “O Idiota” e procurou nas suas centenas de página o trecho que tratava das impressões pós-epilepsia que o impressionara e que jamais esquecera:
“Que mal faz que seja uma intensidade anormal, se o resultado desse fragmento de segundo, recordado e analisado depois, na hora da saúde, assume o valor de síntese de harmonia e da beleza, visto proporcionar uma sensação desconhecida e não adivinhada antes? Um estado de ápice, de reconciliação, de inteireza e de êxtase devocional, fazendo a criatura ascender à mais alta escala da vivência?”.
Fechou o livro, e foi para o sono dos justos baixando a cabeça, mesmo no escuro espantando as sombras, seus fantasmas. Ora, ele não era epilético mas se perguntava se esses transes como experimentara na Paulista, não significariam “ascender à mais alta escala da vivência” mesmo para testemunhar a devastação e o perigo?

Um comentário:

Caio Martins. disse...

Milton,

não é fácil resgatar um momento da história, da vida de alguém ou mesmo das nossas vidas, apenas com palavras.
"Alucinações Paulistanas" consegue, prende a atenção e obriga a pensar. Parabéns!