20/06/2010

A ESPREITADORA

Explicação

Não pretendo ser lúgubre nesta crônica, embora reconheça que se trata daquele tema que muitos tentam ignorar e levam a vida pra frente, mesmo sabendo que a espreitadora anda por aí.
Eu também levo a vida pra frente mas quando se atinge certa idade, alguns amigos começam a ser “recolhidos”, pessoas importantes que foram referência também, e é nessa hora que paro um pouco para meditar sobre essa inevitabilidade.
Não fui fundo nas transcendências que o tema pode sugerir, até porque não tenho condições intelectuais para tanto
.

O recolhimento do escritor português José Saramago no último dia 18 de junho em linhas gerais foi assim descrito: tomara o café da manhã, começando logo depois a se sentir mal, teve atendimento médico, mas não resistiu às sequelas de sua doença respiratória, entre outras deficiências, do alto de seus 87 anos. As Divindades lhe garantiram um passamento suave mesmo considerando sua proclamada condição de ateu: “Deus não existe fora da mente das pessoas”. Mas, e certas emanações que provém da mente, meu ilustre “cara pálida”? Melhor não pensar?
Morte suave também se deu com meu pai, que cuidava de enfisema pulmonar que adquirira, creio eu, por conta de décadas de fumante de cigarros “quebra-peito”, aqueles “macedônia”, “continental” e outros de “altos teores”. Naqueles tempos em que os atores de Hollywood nos filmes faziam ligação de cena fumando com prazer seus cigarros. Claro que também dessa indústria deveria rolar um belo cachê.
Esse relato sobre o meu pai pode ser lido em "Amarguras e ternuras contidas", crônica de 22.05.2009.
Aquilo que de modo eufemístico, qualifico de “recolhimento”, sempre me causa perplexidades, porque o momento em que eclode, ou ocorre de modo suave, ou com extrema e traumática violência. Os acidentes aéreos são sempre impressionantes.
É a eterna espreitadora que resolve a hora e o modo de agir, aproveitando até mesmo a reunião de tantos num dado momento e lugar, por conta de “carmas” comuns, tentam explicar aqueles que acreditam na compensação de saldos que ficaram pendentes ao longo das existências. Lei de talião?
Há milhares de casos iguais a este que acompanhei por força de minha profissão o que explica o meu absoluto afastamento da área criminal. Em aulas de medicina legal meu estômago, ao presenciar certas imagens, me traía.
Um atropelamento fatal que um cliente jovem praticara, vitimando uma moça bem jovem que, depois de uma festa, caminhava de madrugada pelo leito molhado de rodovia de alta velocidade com pouco movimento naquela hora, acompanhada de outros colegas, todos alcoolizados em maior ou menor dose. Chovera muito, horas antes. Havia lama no acostamento, forçando os festeiros a andarem no meio da estrada. Uma neblina tênue dificultava a visão dos motoristas. Os faróis só em parte ajudavam porque o nevoeiro diminuía sua eficiência. O atropelamento fora inevitável, a vítima caminhava com passos incertos a dois metros no leito da rodovia, quase no seu centro.
A foto que compunha o inquérito policial me impressionaria para sempre. O rosto da jovem, jogada a metros de distância, estirada num barranco raso ao lado do acostamento, no meio de vegetação rasteira, cabelos loiros bem cuidados, olhos abertos, boca entreaberta, dentes à mostra, um sorriso macabro de surpresa, parecia não entender o fim violento da sua vida, a irreversibilidade do seu passamento. Aquela foto, aquela rosto, aquela expressão ficaram em minha mente por semanas, meses.
Muitas vezes, ao saber de atropelamentos fatais, aquela imagem angustiada, sorriso triste me assaltava, não como assombração, mas como uma advertência da fragilidade da vida que às vezes se esquece naqueles momentos de soberba.
Lembrava-me sempre dos versos de um poeta “sofredor”:
“Da mais humilde à mais soberba criatura
A vaidade impulsiona o mundo, porém
Mas, no fim, nada restará senão o pó, o além...”

Afinal, uma fração de segundo antes do acidente mortal, aquela moça comemorava a alegria do baile que se encerrara minutos antes, alguns copos de cerveja a mais, desenhando sonhos e projetos já para o dia que nascia, um domingo que prometia tranquilo, após a madrugada chuvosa. O céu limpara, a noite começava dar lugar à aurora.

A lua dera o ar da graça entre nuvens que se recolhiam mas já ofuscada pela luz do amanhecer. As estrelas desapareciam também ofuscadas pela luz solar. A tragédia em nada impediria uma manhã ensolarada dando a impressão de que as árvores rebrilhavam comemorando a chuva forte de horas antes, enquanto bem-te-vis, andorinhas e pardais esvoaçavam, alguns caçando insetos despertos que saiam dos esconderijos recepcionando o sol.
Era o sinal de que a vida seguiria seu curso, cada um a experimentando segundo seu grau de merecimento até os limites postos pela espreitadora no exato instante que resolve intervir.
Muitos ela conduz por um túnel onde irradia a paz para novas missões.
Para outros, os de má índole...


Imagem: "Nebulosa de Hélice ("O Olho de Deus" - explosão de estrela semelhante ao Sol) NASA, from Google.

2 comentários:

Ivana Maria França de Negri disse...

Milton,

Muito bom assunto para reflexão, apesar da maioria fugir dele (fazem de conta que a "espreitadora" não existe).
Se as pessoas pensassem na morte como algo natural e que o corpo é apenas um invólucro a ser descartado a qualquer momento, dariam menos valor às futilidades que geralmente preenchem suas vidas e se voltariam aos valores espirituais, estes, eternos, que sobrevivem à passagem terrena.

abrs
Ivana

Camilo disse...

Caro Milton, o Saramago falava de um deus que está na cabeça das pessoas, um deus criado à imagem e semelhança do homem e de instituições que usam o santo nome em vão, não da essência de Deus. A fé vai além, além do saber que existe, mas da Consciência que é. Mas o fato é que pouco evoluimos espiritualmente, nós, digo eu e não sei se vou conseguir avançar muito mais, agora só por Misericórdia.
Abraço e parabéns pela força e disposição em escrever temas tão pungentes e difíceis.