29/03/2013

O TOURO MANSO



Eu conto como ouvi, uma daquelas lendas que se dão no sertão que pode ser verdade, ter um fundo de verdade ou simplesmente não ser verdade – uma mistura de eventos que inspiram um contar, um poema, uma canção.

Deu-se naqueles tempos de ar limpo, de mata fechada, naqueles tempos em que se viam coisas pulando nos mourões, fantasminhas que deixaram de assustar tal como o fogo fátuo que se deixava ver nos pântanos pela estranha combustão de gazes exalados por corpos mal sepultos.



Aos entardeceres eram inspiradores e as noites, sem as luzes dos sítios, eram imensas de estrelas, a lua brilhava mais e a mata fechada emitia sua luz própria misturando-se com o luar. 



Aquelas luzes esverdeadas, leves no seu esplendor. Porque não só animais livres por ali habitavam. Porque havia seres que oravam para divindades desconhecidas.


 Por aquelas paragens não havia naqueles tempos a caça, mas a pesca naqueles lagos que se comunicavam com os pântanos, nos riachos que cresciam das fontes límpidas naqueles meios secretos.

A estância era simples, uns alqueires de terra, lavrada com frutíferas e além da subsistência, porque frutas e o feijão sempre sobravam eram vendidos na cidade. Há muito que era assim.

Uns tantos bois que ajudavam na terra e vacas, o leite garantido, a manteiga garantida também vendida na sobra e em tudo havia o conforto da pequena casa, a paz possível, a certeza do dia seguinte.

Um dia apareceu por lá um touro perdido.



- Ora, de quem é esse tourinho?


O sertanejo procura por todo parte o dono do touro e nada.

O animal muito manso foi ficando e se tornou reprodutor da estância. Até que o dono aparecesse e vindicasse sua propriedade.

O estancieiro, homem rude, cabelos esbranquiçados cobertos pelo chapéu marrom desbotado, rugas profundas do sol-a-sol, mãos ásperas de calos se sentia incomodado quando se obrigava a vender cabeças.

Não gostava de encarar seus bois e vacas velhos entregues porque parecia que eles o encaravam temerosos, não estavam destacados para os campos, mas separados num pequeno espaço e com brutalidade empurrados para o caminhão.

Saía de perto como se isso aliviasse sua angústia em ver seus animais mansos no caminho do corte.

Seu filho mais velho se divertia:

- Lá vai a vaca velha virar bife. E esses bois capengas...

Tinha ele instintos maldosos. Nem os cachorros a ele se afeiçoavam porque sujeitos a um pontapé quando distraídos.

Não adiantavam as broncas de seu pai, de sua mãe que chorava até pelos seus animais quando levados, de suas duas irmãs.

Numa dessas noites chuvosas, o velho estanceiro se foi num sono tranquilo contente porque chovia.

Com aquele semblante de riso, não mais acordou.

Enquanto a família não decidia o que fazer sem o pai, o primogênito passou a cuidar da estância.

Tratava mal os animais. Ao abrir a porteira para que os bois fossem para o pasto, dava-lhes pancadas com uma grossa vara e ao touro aparecido fazia o mesmo, com mais força e dizia:

- Qualquer dia te castro seu touro manso. Tu vais para a terra ou te vendo pro caminhão.

E assim por meses e meses. Sua irmã muito se irritava com esses maus modos do irmão e sempre que podia, ela mesma abria a porteira acariciando as vacas recém ordenhadas e falando com os bois e com o touro aparecido.

O moço já havia decidido que não ficaria na estância. Ouvira dizer que no estrangeiro havia competições entre vaqueiros montados em cavalos laçando novilhos ou equilíbrio no touro bravo e coisas assim. Diziam que dava dinheiro e prêmios. Não tinha certeza disso. Ou se arriscaria nalguma coisa que não fosse a monotonia da estância, sem futuro para suprir seu temperamento agressivo.

Acertara que seus cunhados cuidariam das terras.

Talvez na última vez em que abriria a porteira, mas violento que nunca em espantar os animais para o pasto, por último o touro aparecido, estancado a poucos metros.

- Venha logo seu touro chifrudo e mole. Hoje você vai sentir o quanto dói uma saudade.

O animal fez um movimento incomum com uma das patas e partiu em direção ao seu algoz. Atingido em cheio, prensado no mourão, perfurado pelos chifres em ponto vitais no seu peito, a morte fora instantânea:

-  Seu mal..., não concluiu.

De nada adiantou o desespero de suas irmãs e de sua idosa mãe que gritava entre soluços de um choro compulsivo:

- Eu disse, eu disse pra ele.

Os cachorros sem entender o alvoroço da cena latiam, latiam para o touro, para o ferido estirado no chão duro da terra batida.

Algum tempo depois, o touro foi entregue ao caminhão. (*)

Sua presença se tornara amarga para a família do morto.


FOTOS:
1. Fogo fátuo: Wikepédia;
2. Entardeceres / 'Céu lindo': Milton Pimentel Martins
3. Luz na floresta: tramadasletras.blogspot.com.br
4. Touro: Google

(*) V. Crônica de tema correlato: "Fábula: a vaca e o leão" de 04.07.2010 

4 comentários:

Ivana Maria França de Negri disse...

Aqui se faz, aqui se paga...

Marisa Bueloni disse...

Dr. Milton: o causo está muito bem contado. E parece que existe uma "lei de retorno" imperando em toda parte. Até nas histórias mais singelas...
Marisa Bueloni

Pedra do Sertão disse...

Ótimo causo, parece que aconteceu de verdade.

Abraço do Pedra

www.pedradosertao.blogspot.com

TEMAS LIVRES disse...

Cara Pedra do Sertão
A história quanto ao ataque do Touro me foi contada como real. O resto é "literatura", Aliás, sou dos que torcem sempre para o touro. Grato pela presença. Sds. MM