07/03/2010

BUCOLISMOS (ii)



Explicação

Os amigos que me acompanham neste espaço, provavelmente estejam já um pouco entediados com a frequência dos relatos que tenho feito sobre experiências com animais: quati, abelhas, borboleta azul, leitãozinho assassinado e até escorpião no meu sapato.
Esses temas podem parecer por demais ingênuos mas será preciso saber como nasce a decisão de torná-los públicos.
Saibam antes os que chegaram agora, que a despeito desses temas bucólicos minha preocupação política, mundana, se reflete nos artigos “publicados” no portal www.votebrasil.com. Já são dezenas.

Escrevo agora sobre


Gambazinhos

... que aparecem por aqui.




A vontade de falar sobre eles se deu num fim de tarde quando o sol se punha e o céu começava a se acinzentar.
Sentado sob um pé de atemoia assistia o céu mudando de cor entre nuvens, com minha velha cadela preta por perto. Filosofava me perguntado os motivos dessa constância e da própria Lua que já dava o ar da graça, ainda tão misteriosa para nós. O denominado “satélite” que parece dar algum equilíbrio à orgulhosa matriz.
Pássaros apressados voavam alto em bando em busca do seu refúgio.
Ali mesmo, numa tarde assim, minha cachorrinha latia com insistência. Vou para o quintal, chego perto e numa forquilha da mesma árvore, semi-morto encontro um gambazinho refugiado quanto possível dos ataques que seriam mortais da cadelinha se o pegasse. Ali, quase imóvel, formigas atacavam sua cauda.
Com cuidado o levei dali.
Já dominado, o bichinho como recurso de frágil defesa abria a boquinha mostrando aqueles dentinhos virando-se para tentar morder minha mão. Não exalou aquele cheiro desagradável característico.
Curativo feito na cauda soltei-o num lugar estratégico do jardim, sob uma folhagens, com água e uma banana. À noite, a banana não mais estava lá e o gambazinho, alimentado conseguira fugir para o seu...esconderijo.
Frequentemente, naquele mesmo lugar do jardim, deixo uma banana à noite. De manhã não há restos dela. Esses gambazinhos também viraram pensionista aqui do pedaço. E se gostarem da pensão e ficarem por aqui. aí a gente vê o que faz, mas sempre à distância de tal modo que tenham sua vida longe do contato humano. Creio que eles se abrigam nas proximidades do Rio Piracicaba ou nas suas margens e à noite – são animais com hábito noturno -, saem em busca de alimentos

Não demoraria muito, tarde da noite, no comedouro improvisado aqui no muro para os pássaros, fiquei cara a cara com um deles, pego em flagrante equilibrando-se no portão, aproveitando o que restara dos mamões e bananas. Não fugiu. Ficamos nos observando olho-no-olho sob a luz a menos de dois metros. Deixei-o e fui embora.


Fotos:
Gambazinho / Google
Entardecer / Milton P. Martins

6 comentários:

Ivana Maria disse...

Boa noite Milton

Lindo gesto esse seu de tratar e alimentar os gambazinhos. Muita gente pensa que são uma espécie de ratos gigantes e os trucidam impiedosamente, sendo que é um crime inafiançável matar animal da fauna silvestre.
Prefiro mil vezes esse tipo de crônica, sobre a natureza e os animais, do que artigos sobre as "peripécias" de Lula&Cia.

abrs
Ivana Negri

Caio Martins. disse...

Mestre Milton, endosso em gênero, número e grau, o que afirma a Ivani. Igualmente, agradeço o privilégio de compartilhar leitura assim tocante.

Creio justificar-se o comportamento "humano" com a Natureza pelo fato de ela nos ter sido dada de graça... Tivéssemos que por ela pelear com o empenho com que muitos buscam o "Paraíso", quiça fosse tudo muito diferente.

Saudações aos bichinhos.

Blog de Ana Marly Jacobino disse...

Caríssimo Milton: desde criança sou apaixonada pelos animais, e o gambá eu aprendi a amar através de um desenho animado em que ele um gambá frances se apaixona por uma gatinha de listra branca e ele a envolve com o seu amor. Ela não o quer devido ao seu "fedor" (rs,rs,rs).Vá entender essas loucuras do amor!

Abraços Poéticos Piraciabanos da Ana Marly de Oliveira Jacobino

MILTON MARTINS disse...

Ana Marly
Grato pela sua presença por aqui. Como disse a Ivana e isso já ocorreu comigo, esses gambas foram confundidos com ratos, no começo. Com certeza eles estã fora do habitat natural, dizem que são fauna do cerrado. Mas, o meu contato com eles tem sido sem cheiro. Homenagens. Milton Martins

Marisa Bueloni disse...

Dr. Milton: belo texto! Aqui em casa, não jogo nada fora. Frutas com jeito de passadas vão para os pássaros. Pico bem e coloco sob o pé de lichia. Ah, que revoada deles para virem bicar o alimento precioso. Deus seja louvado pela beleza da Criação! Abraços da Marisa Bueloni

Mel Redi disse...

Belo exemplo ! Animais são realmente interessantes... é muito gostoso espiá-los, às vezes me divirto muito só ver as peraltices deles. Imagine que outro dia, lá na chácara, apareceu um quatizinho. Minha cachorrinha latia desesperada.. aí quando espiei, o quati do lado de fora assustadíssimo, sem saber que direção tomar. Ele deve ter vindo em busca de alimentos. Isto é o resultado da invasão do Homem no habitat destes bichinhos. Ab Mel