14/03/2010

ILHABELA, NASCENTES E BORBOLETAS



Eis-me de volta à Ilhabela não tanto por minha vontade pessoal.




Um dos meus filhos, amante da Ilha, resolveu reunir, num fim-de-semana seus irmãos e amigos e respectivas esposas.
Explorando a Ilha, volto àquele centro simpático de cafés, livrarias, bibliotecas e restaurantes. Visito o Museu de História Natural e converso com um dos humildes zeladores do museu.
Num dado momento eu o provoco:
- Bem, a Ilhabela é uma ilha?
- Sim, claro, estranhando a pergunta.
- Cercada de mar e água salgada?
- Sim, é uma ilha.
- A água doce, vem de onde, do continente?
- Não, das nascentes nos morros aqui da Ilha.
- Mas, se é uma ilha cercada de água salgada, como pode haver água doce, de onde ela vem?
Ele ameaçou uma resposta certeira mas vacilou. Me encarou, refletiu, talvez pretendendo argumentar que eram reservas das chuvas intensas naqueles dias, mas como essas reservas permaneciam nos tempos sem chuva?
- Isso é obra de Deus, respondeu, me encarando com amizade, sorrindo.
Dei-lhe um tapinha no ombro e saí.
E eu, na minha ignorância, geologicamente, também não sei explicar as águas das ilhas. Talvez alguém o faça.



Preparo-me, numa aventura louca, em atravessar um parque municipal, uma estradinha(mais para trilha) largura que não cabia mais do que um carro, até a famosa praia de Castelhanos.
O jipe equipado para esse desafio caia de velho, imundo. O motorista encoraja a todos, falando da grande aventura que se iniciaria.
Logo no começo dos 22 quilômetros do caminho vi que a aventura era louca, mesmo, especialmente para mim cuja condição de garotão já passara havia muito.
A passagem dos jipes, um atrás do outro, produziram sulcos fundos o que fazia com que o veículo se inclinasse a ponto de, lá com meus exageros, bater o rosto no barranco. O solo estava mole depois de forte chuva na véspera.
Embora preocupado mantive a serenidade. No trajeto assim acidentado, entre os raios de sol que irrompiam pelas frestas da mata atlântica, houve um desfile de borboletas azuis – raridades em outras plagas.
Dizem que as borboletas sobrevivem em áreas não poluídas.
Me desculpem, mas esses serezinhos me são inspiradores, um simbolismo anímico. Sei das minhas projeções nesse campo e não as escondo. Com elas esvoaçando à minha frente senti os bons augúrios, sabia que o passeio acabaria bem mesmo com as inclinações cada vez mais acentuadas do jipe que roncava pelo esforço em sair daquelas valetas.
Assim se deu.




A praia dos Castelhanos é muito bonita.








À tarde, voltei de lancha. Não me dou bem com barcos sobre o movimento das ondas. Vou para o enjoo imediato. Concentrei-me do modo que pude para não dar vexame. Mas, em duas vezes a vontade de esvaziar o estômago se manifestou.
Todos os que voltaram por terra, por aquele mesmo caminho ficaram retidos por cerca de dez horas. Passaram a noite naquele escuro de breu atormentados por borrachudos. Camionetas 4 x 4 não conseguiram superar o barro e encalharam impedindo a passagem dos jipes.
O socorro de abnegados com "troler" só chegou ao alvorecer, um escândalo, porque se trata de um parque público que não reserva qualquer equipamento de emergência ou modos de ajuda em casos dessa gravidade.


Sobre as borboletas azuis, já publiquei o poema abaixo, muitas vezes. Eu o transcrevo de novo para dar o sentido que dou a elas. E porque considero dos melhores – tenho muita dificuldade em obter inspiração poética, só transpiração não basta:

ETÉREOS

Nessa de desânimo
apatia
Não sei o porquê
de tal melancolia
(ou nostalgia?)
Desmedida

Sei não!
Cadê a Inspiração
os elementos Etéreos?
Clamo, pois, só, no (meu) deserto
Respostas não vêm
Ilusões não há (mais).

Miro margaridas murchas
(bem-me-quer, bem-me-quer!)
Que se preparam para semente
Sinto o sol...
mas não me aqueço.
Num momento, surpreso
confuso
Sinto o Etéreo, porém.

Uma manchinha azul
No éter
Vindo, chegando, esvoaçando!

Ora, uma simples...
Borboleta...azul!

Ela dança nos meus olhos
Solene, encantada, frágil
magnífica, rebrilhante...
E pousa, então...
na margarida
a mais desfeita
na gema amarela.
(apenas três pétalas ressequidas)

Apreendi logo
o valor da escolha...
Da borboleta azul
Etérea
tão tênue
tão efêmera
Bem vinda...

Porque na margarida
murcha
na gema
Ela sentiu a vida
(ainda)

Assim falava ela
a borboleta azul
Etérea
na minha nostalgia
(ou melancolia?)
Naquele dia...



Fotos:
Ilhabela / paisagem - Milton P. Martins
Praia de Castelhanos: Google

Um comentário:

Marisa disse...

Ah, Ilhabela!... A água doce das ilhas, pois é. De onde vem? Milton, onde estão as doces ilhas? Todas dentro do nosso pobre coração. E eu, com um humilde terreno em Ilha Comprida, fico aqui, a sonhar!...
Adorei o texto. Abraços, Marisa Bueloni