06/03/2011

OUTROS CARNAVAIS

Lá fui eu, naqueles tempos, num baile de carnaval, num clube sofisticado com amigos.

O salão, um andar inteiro, estava ilustrado por grandes máscaras risonhas. Numa delas, vermelha e preta, uma boca enorme, saiam notas musicais. Não havia como não encará-la naquele semblante bem feito e bem humorado.

A folia já havia começado. Estanco me vendo meio sem jeito entrando naquela roda doida, cantando no meio daquela turma toda, será?

Turma geralmente bem comportada, apenas um esbarrão aqui, uma mão boba ali mas tudo fazia parte do refrão. As meninas de calça comprida, nada de shortinho!

Indeciso entre a minha timidez e meu desajeito para aquilo tudo, sabendo que não conseguiria pular e cantar as músicas sucessos de sempre, desligar-me de todas as minhas indagações próprias daquela idade tão cheia de alternativas, de florescimentos.

Estou boquiaberto com o som e a alegria de tantos quando recebo um punhado de confete no rosto. Uma quantidade razoável desceu goela abaixo. Vi a autora da proeza.

Uma menina bonitinha, morena, cabelos soltos de quem recebi um aceno delicado.
Talvez quisesse apenas compartilhar sua alegria com alguém que estivesse fora da roda. E provocá-lo para que nela entrasse.

O chão estava forrado de confetes. Catei um monte e esperei que com a volta da roda ela chegasse. Devolvi os confetes em seu rosto. Ela fechou os olhos, riu lindamente e seguiu empurrada pela roda saltitante.

Todos se esguelando:

“Mamãe eu quero,
mamãe eu quero,
mamãe eu quero mamar.” (...)

Oh! jardineira porque estás tão triste?
Mas o que foi que te aconteceu?
Foi a camélia que caiu do galho,
Deu dois suspiros e depois morreu. (...)

Foi numa casca de banana que pisei, pisei,
Escorreguei, quase caí,
Mas a turma lá de trás gritou: Chi!
Tem nêgo bêbo aí! Tem nêgo bêbo aí (...)

Bandeira branca, amor
Não posso mais.
Pela saudade
Que me invade eu peço paz. (...)


E nesse enlevo todo, o baile se encerrou e não a vi sair e não mais a vi. Talvez não morasse na cidade.

No dia seguinte, na mesma hora, circulei pelas imediações do salão esperando pelo menos revê-la.

Mas, nada.

Resolvo ir embora, aguardando a quarta feira de cinzas que era ainda, por muitos, respeitada como dia religioso. Lembro-me que naquele passado mais distante, nas primeiras horas, uma tia recolhia cinzas do fogão a carvão e na rua as jogava para trás, pelos ombros, sem olhar para onde se espalhavam, num ritual muito próprio dela. E com esse gesto convidava a todos a uma oração rogando perdão pelos pecados e pelas graças recebidas.

Nunca entendera bem o porquê das cinzas, até que um dia, no último ano do curso primário, uma professora explicara que as cinzas representavam a ideia da mortalidade, do pó, “ao pó voltaras”, nesse momento em que se extinguem todos os orgulhos e todas as vaidades.

Vou me afastando do clube, ouvindo claramente as mesmas músicas carnavalescas do baile da terça-feira, o derradeiro. Já distante, como se fosse uma ruptura àqueles sons alegres todos deu para ouvir os acordes chorosos do samba-canção “Fechei a porta” sucesso estrondoso do cantor Jamelão:

Eu não quero mais amar
pra não sofrer ingratidão
depois do que eu passei
fechei a porta do meu coração

Eu dei pra ela todo o carinho
e no entanto acabei sozinho.
(*)

Sozinho numa terça-feira de carnaval podia até ser verdade, mas a porta do coração estava escancarada.

Que entrasse a paixão sem bater e se esquentasse nas luzes que irradiavam no peito.

Tantos anos depois, essa música sempre me volta pelos carnavais da vida como uma homenagem daqueles tempos de amor e graça.


(*) Composição: Sebastião Motta/ Ferreira dos Santos

Imagem/Fonte: http://artigosedwardsouza.blogspot.com/2010/02/saudades-dos-antigos-carnavais-velhos.html

Nenhum comentário: